Cultura

Foto: Divulgação

Nesta quarta-feira, 13, um ônibus partirá para a conferência mundial Rio +20 levando cerca de 40 representantes dos povos indígenas das etnias Karajá, Xerente, Krahô, Krahô Kanela, Javaé e Apinajé do Tocantins. O grupo permanecerá instalado durante o período de 15 a 23 de junho, na Cúpula dos Povos, uma das Estações da Conferência onde está sediado o ATL – Acampamento Terra Livre, localizado no Aterro do Flamengo/RJ.

A partida da Delegação que está prevista para acontecer às 19h, sairá do estacionamento da sede da Semades – Secretaria do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável.

Os representantes dos povos indígenas irão levar para esse encontro, documentos que contém as reivindicações das etnias do Estado e que serão discutidos com os demais povos indígenas participantes. A intenção será contribuir com a formulação de um documento único que o representante desses povos, no evento, irá entregar à ONU – Organização das Nações Unidas. Eles pretendem realizar ainda, exposições de artesanato e apresentações de suas manifestações culturais aos visitantes.

Compondo a delegação dos povos tocantinenses seguirão nessa viagem os representantes das organizações não-governamentais, Ecoterra, Arco do Pontal, associações dos artesões e do Fórum Regional de Economia Solidária.

Delegações do Tocantins

No início da tarde, representantes da associação BIFSF – Bombeiro Civil Florestal sem Fronteiras, da Ong Natura-Ativa, do STTRS - Sindicato Regional dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rural de Araguaína, Piraquê e Carmolândia, além da Coordenação de Artes Plástica da Secult – Secretaria Estadual da Cultura seguiram viagem em outro veículo, acompanhando o transporte de materiais diversos, que serão expostos durante a Conferência.

Cerca de 120 peças da Exposição do Ritxoko, bonecas produzidas exclusivamente pelas mulheres Karajá e que recentemente foi reconhecida como Patrimônio Cultural do Brasil pelo Iphan – Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional seguem nessa comitiva para a Rio+20. Além da exposição, materiais como banners e informativos que levam o incentivo à educação ambiental, a proteção do meio ambiente e dos recursos hídricos do Estado, de questões sobre o lixo, defesa da cidadania e valorização dos profissionais catadores. Esse grupo tem o objetivo de buscar a interação com outros povos e as inovações ambientais. (Com informações da Secom)

Por: Redação

Tags: Iphan, Ong Natura-Ativa, Ritxoko