Educação

Foto: Divulgação

O Ministério Público Federal (MPF) instaurou inquérito para apurar irregularidades no doutorado institucional em Administração, oferecido em 2009 pela Universidade Federal do Tocantins (UFT) e a Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM). A abertura do inquérito foi divulgada nesta terça-feira, 19, no Diário Oficial da União (DOU).

A portaria assinada pelo procurador Marcos José Gomes Corrêa assinala como suposta irregularidade do programa a concessão de bolsas de doutorado a professores não estáveis, o que desrespeitaria normas da Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), órgão do Ministério da Educação, contidas no edital 005/2008.

Notícia publicada no site da UFT no dia 27 de maio de 2009 mostra que os alunos aprovados para o doutorado eram Ana Lúcia de Medeiros; Callisthenes Mário Tomé Pires Nunes; Elisabeth Aparecida Corrêa Menezes; Helga Midori Iwamoto; José Antônio Chavez Olortegui; Marcos Antônio Dozza; Sandra Alberta Ferreira; Suzana Gilioli da Costa Nunes e Renato Amoedo Nadier Rodrigues.