Palmas

Foto: Divulgação
 

A Prefeitura de Palmas vai construir mais 300 unidades habitacionais no Setor Lago Sul. O contrato e a ordem de serviço para a construção das unidades habitacionais foi assinado na manhã desta sexta-feira, 24, no gabinete do prefeito Raul Filho.

 

O projeto firmado entre a Prefeitura de Palmas de Palmas, a Caixa Econômica Federal e a Rodes Engenharia e Transportes terá um investimentos de R$ 16,2 milhões. Serão construídos 19 blocos, com 16 apartamentos cada, todos financiados pelo Programa Minha Casa, Minha Vida II do Governo Federal.

 

As famílias para serem beneficiadas neste projeto habitacional terão que ser cadastradas junto à Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh) e possuir renda de zero a R$ 1.600,00. Os critérios dos beneficiários também seguem a Portaria n° 465 do Ministério das Cidades e da Lei Ordinária Municipal n° 1.777/2011. Os contemplados deverão pagar um valor mensal de no máximo 10% da renda familiar, durante um período máximo de 10 anos.

 

Segundo o Prefeito Raul Filho, além da seleção das famílias, a gestão executa um papel de fundamental importância na consolidação destes projetos, a doação da área. “Os terrenos onde são construídos estes projetos são doados pela Prefeitura. Se a construtora tivesse que comprar o terreno, com esta super valorização das áreas, este projetos seriam inviabilizados para a comunidade de baixa renda”, destacou.

 

Combate a o déficit habitacional

 

Ainda segundo Raul Filho, até o final do ano serão assinados contratos para a construção de mais 1.500 unidades habitacionais, totalizando 2.158 unidades habitacionais em construção. “Ao chegar dezembro, entre construídas, em construção e contratadas nossa gestão terá aproximadamente 9 mil unidades habitacionais”. Para o prefeito, o maior gargalo hoje no combate ao déficit habitacional é a questão fundiária de Palmas, mas os investimentos estão sendo maciços nos lotes multi familiares. “Não avançamos mais por não sermos os detentores das áreas do município, que estão com o Estado”, pontuou.

 

Gustavo Bottós, secretário municipal de Desenvolvimento Urbano e Habitação, acrescentou que a preocupação da gestão municipal não é apenas levar a moradia, mas também dotar o local com a infraestrutura básica, e promover condições da socialização e sustentabilidade do programa habitacional. “Este projeto está sendo construído em um local onde tem posto de saúde, escolas, transporte público. Não é apenas a moradia, nós procuramos dar condições para que estas pessoas vivam com qualidade. Temos um trabalho de acompanhamento e pós-ocupação para que este projeto seja sustentável”, ressaltou.

 

O representante da Rodes Engenharia e Transportes, Ronaldo Imay, explicou que a previsão inicial de entrega do projeto é de 15 meses. Os apartamentos terão 43 m², construídos em alvenaria estrutural. Segundo ele uma tecnologia mais precisa na qualidade e no acabamento da obra. “Esse sistema é menos agressivo na questão ambiental e ecologicamente correto no uso de materiais como a madeira”, disse.