Economia

Foto: Divulgação

O Mapa do Trabalho Industrial, publicação inédita elaborada pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, com a projeção da necessidade de formação de mão de obra de nível técnico e de média qualificação para os próximos três anos em todo o Brasil, foi divulgado nessa quinta, 20, durante coletiva na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo – FIESP. No Tocantins, o mapa aponta para uma demanda por 15 mil profissionais capacitados neste período, o que representa 0,2% dos 7,2 milhões estimados em todo o País.

A publicação serve ainda como subsídio para o planejamento da oferta de formação profissional da instituição e apoio aos jovens brasileiros na escolha da profissão uma vez que aponta as áreas mais procuradas em nível técnico e em cursos com duração superior a 200 horas.

As ocupações com maior demanda no nível técnico no Tocantins são as de técnicos de controle da produção, técnicos em eletrônica, técnicos em eletricidade e eletrotécnica, técnicos em operação e monitoração de computadores  e técnicos em segurança do trabalho.

Já nos cursos com mais de 200 horas, a necessidade maior é por profissionais da área de alimentos (cozinheiros industriais), mecânicos de manutenção de veículos automotores, encanadores e instaladores de tubulações, trabalhadores na fabricação e conservação de alimentos, padeiros, confeiteiros e afins.

Este resultado acompanha o apontamento nacional que identificou maior demanda também na área de alimentos. Conforme o Mapa, serão necessários 174,6 mil trabalhadores para a indústria de alimentos (cozinheiros industriais) entre 2012 e 2015 em todo o Brasil. No mesmo período, o país precisará de 88,6 mil operadores de máquinas para costura de peças do vestuário e  81,7 mil preparadores e operadores de máquinas pesadas para a construção civil.

Já entre as ocupações técnicas de nível técnico, o técnico de controle da produção lidera o ranking com demanda de 88.766 profissionais. Atrás, vem a de técnicos em eletrônica com 39.919 e a de técnicos de eletricidade e eletrotécnica, com 27.972.

Do total nacional da demanda, 1,1 milhão será por trabalhadores para ingressarem em novas oportunidades no mercado. O restante já está trabalhando e precisa manter-se qualificado para acompanhar os avanços tecnológicos da indústria.

“O Senai Tocantins trabalha alinhado com as diretrizes nacionais da instituição e vai inaugurar 3 novas escolas neste período para ampliar a oferta de cursos e poder suprir esta demanda apontada por profissionais capacitados no Mapa. Além disso, oferecemos cursos de forma itinerante nos municípios, estrutura que também iremos ampliar com a aquisição de novas unidades móveis e kits didáticos, o que aumentará  nosso raio de atendimento no Estado. Todos esse investimentos nos permitiram fechar um planejamento para 2013 que vai além desses 15 mil alunos capacitados, estimando realizar cerca de 21 mil matrículas no próximo ano”, comentou a diretora regional, Raimunda Tavares, que esteve presente na coletiva em São Paulo.

Raimunda Tavares complementa ainda que ter em mãos dados sólidos, como o do Mapa, permite à instituição oferecer cursos de acordo com a necessidade do Estado e do segmento industrial.

Metodologia

O método utilizado é o Insumo-Produto de Liontief que considera o fluxo de bens e serviços entre os vários setores da economia e seu efeito multiplicador sobre o volume de emprego.  A metodologia foi desenvolvida com a colaboração das melhores universidades do país, como a Universidade São Paulo (USP), a Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) e a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

As projeções e estimativas são desagregadas no campo geográfico, setorial e ocupacional, e servem como parâmetro para o planejamento da oferta de cursos do Senai. (Assessoria de Imprensa)