Esporte

Foto: Nelson Perez

Em jogo em que a torcida da casa trouxe para o estádio Independência, na forma de protesto, a suspeita de benefícios da arbitragem ao adversário, o Atlético-MG venceu o Fluminense, de virada, por 3 a 2, na tarde deste domingo. Um gol marcado por Ronaldinho Gaúcho, anulado ainda no primeiro tempo, em cobrança de falta, manteve a questão no centro da partida, encarada como espécie de ‘final antecipada’. O dramático triunfo atleticano, obtido gol gol de Leonardo Silva, aos 46 min da segunda etapa, reduziu para seis pontos a vantagem em favor do Tricolor, esquentando o Brasileiro.

Em um Independência lotado, o jogo foi caracterizado pela forte pressão do Atlético-MG, que, além do gol anulado e que gerou muita polêmica, mandou três bolas na trave, duas no primeiro tempo, e teve em Diego Cavalieri um obstáculo. Coerente com sua campanha, o Fluminense, dominado em boa parte do jogo, foi ‘mortal’ no contra-ataque e abriu o marcador, com Wellington Nem, aos 10 min. O empate saiu com Jô, aos 23 min, completando bela jogando individual de Ronaldinho Gaúcho.

Antes do início do jogo, os protestos de torcedores atleticanos contra o que consideram benefício das arbitragens ao Fluminense tomaram conta. Foram faixas, mosaico e narizes de palhaço. Já com a bola rolando, alguns torcedores voltaram a exibir faixas com dizeres “CBF, vergonha” e outras contra o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD).

Essas faixas já tinham aparecido antes dos 20 min, quando o árbitro Jaílson Macedo Freitas anulou o gol de Ronaldinho Gaúcho, em cobrança de falta, sob a alegação de falta cometida pelo zagueiro Leonardo Silva na barreira do Fluminense. Os torcedores intensificaram o protesto e durante muitos minutos o coro de “vergonha” tomou conta do Independência. Em campo, os jogadores atleticanos reclamaram muito, especialmente Ronaldinho.

O primeiro tempo foi marcado pela intensa pressão atleticana contra o Fluminense, que, cumprindo o que havia afirmado o técnico Abel Braga, não faria nada diferente para esse jogo. O time carioca atuou fechado, contou com defesas importantes do goleiro Diego Cavalieri e com uma dose de sorte, além da intervenção polêmica do árbitro, que anulou gol de Ronaldinho Gaúcho. A única chance da equipe visitante foi aos 31 min, em contra-ataque puxado por Wellington Nem, que conseguiu passar por Victor, mas se enrolou e não conseguiu finalizar.

A primeira oportunidade atleticana foi aos 5 min, em chegada surpresa do volante Leandro Donizete, que errou o alvo. Três minutos depois, Bernard cruzou e Jô, de primeira, obrigou Cavalieri a defender. Já aos 15 min, Marcos Rocha enfiou para Guilherme, que bateu por cima do travessão. Aos 27 min, Bernard e Jô tiveram chances seguidas e, aos 36 min, o goleiro tricolor pegou chute forte de Marcos Rocha.

Quando não foi o goleiro tricolor, ou a falta de pontaria dos atleticanos, a trave salvou duas vezes o Fluminense de sair em desvantagem na etapa inicial. E foram dois lances seguidos, aos 44 min e 45 min, com Bernard e Jô, respectivamente. Na primeira bola na trave, Diego Cavalieri ainda tocou levemente na bola, o suficiente para desviá-la.

“Estamos suportando bem a pressão, mas estamos errando passes. O importante é manter essa calma, mas temos de tentar jogar e criar um pouco mais, para equilibrar e agredir um pouco mais”, comentou o camisa 1 tricolor, após o término do primeiro tempo, enquanto o torcedor atleticano gritava e vaiava a arbitragem, personagem central dos 45 minutos iniciais.

O atacante Bernard lamentou a anulação do gol e estranhou o fato. “Eles fizeram um gol na mesma situação contra o Vasco. Chegou o momento que eles anularam, mas paciência, o goleiro deles está num dia muito feliz, mas temos de continuar tentando fazer a nossa parte”, destacou o jovem atleticano.

Os dois times voltaram sem alterações para o segundo tempo. Logo aos 5 min, mais uma vez a arbitragem no centro das atenções. Carlinhos com as mãos evitou que Marcos Rocha seguisse em um lance. A falta foi marcada, mais os atleticanos cercaram o árbitro, cobrando o amarelo, que acabou saindo para o lateral esquerdo. O nervosismo era a tônica do jogo, assim como a pressão atleticana.

Mas, aos 10 min, a história do Fluminense ao longo do Brasileirão se repetiu e saiu o gol do líder da competição. Foi em um contra-ataque, em que a bola chegou a Fred, que serviu a Wellington Nem e que colocou a bola nas redes. Cinco minutos depois, Leandro Donizete acertou a trave do time carioca.

O Atlético continuou pressionando, consciente que jogava as últimas fichas na briga pelo título nacional e empatou, com Jô, aos 23 min, e passou à frente aos 36 min levando a torcida à loucura. Fred empatou aos 36 e quando parecia que ficaria tudo igual, Leonardo Silva fez o gol do triunfo, aproveitando cruzamento de Ronaldinho. Depois disso, houve ainda um tumulto envolvendo atletas dos dois times. Júnior César foi advertido com o terceiro amarelo. (Fonte UOL)