Estado

Foto: Divulgação

Com 74 votos, a Procuradora de Justiça Vera Nilva Alvares Rocha Lira foi a mais votada da lista tríplice destinada à escolha do próximo Procuradora-Geral de Justiça, biênio 2013-2014. O candidatos José Demóstenes de Abreu obteve 58 votos, ficando em segundo lugar, e Leila da Costa Vilela Magalhães, em terceiro com 52 votos.

O resultado foi divulgado por volta das 17h05 e transmitido pelo site da Instituição, com imagens ao vivo. Esta foi a primeira eleição do Ministério Público totalmente virtual, quando todos os membros (Promotores e Procuradores de Justiça) puderam votar de qualquer localidade, utilizando apenas o login e senha. O programa é pioneiro no Brasil e foi desenvolvido pela equipe de Tecnologia da Informação da instituição. Dos 117 membros aptos, 112 votaram.

A lista com o resultado será encaminhada nesta quarta-feira, 31, pelo atual Procurador-Geral de Justiça, Clenan Renaut de Melo Pereira, ao chefe do poder executivo, José Wilson Siqueira Campos. O governador terá 15 dias para nomear o novo Procurador-Geral de Justiça. Após nomeado, toma posse em sessão solene realizada pelo Colégio de Procuradores de Justiça no dia 14 de dezembro.

Os três concorrentes têm como bandeira principal dar continuidade ao trabalho que vem sendo desenvolvido no Ministério Público Estadual (MPE) e preservar a autonomia institucional. A Procuradora Vera Nilva Álvares da Rocha Lira disse estar preparada para assumir o cargo, caso seja a escolhida, já que ao longo dos seus 23 anos de atuação no MPE, passou por todos os órgãos da instituição. Ela acredita que a expressiva votação foi um reconhecimento pelo seu trabalho. “Nós iremos lutar para manter a classe unida e atuar com autonomia, aliada à harmonia interinstitucional. Será um trabalho de intercâmbio com as demais instituições e também com o Poder Executivo”, declarou.

José Demóstenes de Abreu, que foi PGJ por duas gestões, considerou o pleito tranquilo e elogiou o novo sistema de votação. Se for nomeado, pretende dar continuidade ao trabalho desenvolvido na atual gestão. “O MP cresceu muito nos últimos anos e iremos tentar prosseguir com o mesmo ritmo que vem sendo empreendido”, declarou.

Leila da Costa Vilela Magalhães, o membro mais antigo do parquet tocantinense, também já esteve à frente do MPE. Para ela, “o resultado da eleição foi o esperado, uma vez que a candidata mais votada é um nome novo e vem desempenhando um belo trabalho na Instituição. No meu ponto de vista, por ter tido também uma expressiva votação, a Procuradora Vera Nilva deve ser a escolhida”, enfatizou.

Vera Nilva Alvares da Rocha Lira

Natural do Estado de São Paulo, Vera Nilva Álvares Rocha Lira foi aprovada no 1º concurso para Ingresso na Carreira do Ministério Público do Tocantins em janeiro de 1990, quando então foi designada para a Promotoria de Justiça de Miracema do Tocantins, onde permaneceu por cerca de 3 anos. Nesse período também foi Promotora de Justiça de Peixe e Pedro Afonso. Removida para Palmas, atuou na Promotoria da Fazenda Pública, sendo, em seguida, promovida ao cargo de Procuradora de Justiça em 1997. Foi Corregedora-Geral do Ministério Público por duas vezes. Teve forte atuação na área da mulher, criando o Caop da Mulher e também presidindo o Conselho Estadual dos Direitos da Mulher (Cedim). Coordenou os Centros Integrados do Ministério Público, órgão que congregava todos os Caops e o Centro de Estudos e Aperfeiçoamento Funcional (Cesaf) e também foi Secretária do Colégio de Procuradores de Justiça por três anos. Atualmente, é coordenadora do Cesaf e Subprocuradora-Geral de Justiça. Esta é a segunda vez que concorre ao cargo de Procuradora-Geral de Justiça, sendo a candidata mais votada da lista tríplice.

José Demóstenes de Abreu

Ingressou no Ministério Público do Estado do Tocantis no ano de 1990, iniciando sua carreira na histórica comarca de Natividade, atuando ainda em Araguatins, Miranorte, Ponte Alta do Tocantins, Dianópolis, Colinas, Porto Nacional e Palmas. Pelo critério de merecimento, foi promovido ao cargo de Procurador de Justiça no ano de 2001, elegendo-se Corregedor-Geral no mesmo ano. Ocupou o cargo de Procurador-Geral de Justiça por dois mandatos, 2003/2004 e 2005/2006, tendo atuado ainda como Conselheiro Eleito, por vários mandatos, no Conselho Superior do Ministério Público, além de ocupar o cargo de Coordenador do Centro de Atendimento Operacional às Promotorias de Justiça da Infância e Juventude (Caopij) entre os anos de 2007 e 2011.

Leila da Costa Vilela Magalhães

Promotora de Justiça em Pedro Afonso, quando o município ainda pertencia ao Estado de Goiás, Leila da Costa Vilela Magalhães foi promovida, por meio de decreto do Governador do Estado, ao cargo de Procuradora de Justiça quando instalado o Tocantins, em 1989. Leila é o mais antigo membro do Ministério Público Tocantinense, tendo sido eleita, em 2002, para o cargo de Corregedora-Geral, e em 2006, para o cargo de Procuradora-Geral de Justiça para o biênio 2007/2008.

https://mail.google.com/mail/u/0/images/cleardot.gif