Economia

Um evento que oportuniza conhecimento sobre o mercado eletrônico em todo o País será realizado em Palmas, nesta segunda-feira, 12 de novembro. É o Ciclo MPE, um dia de treinamento gratuito sobre as vantagens e os desafios do e-commerce ou comércio eletrônico. A programação é voltada aos micro e pequenos empreendedores, e acontece no auditório do Sebrae, das 8h às 17h45. 

São 10 atividades em um único dia que abordam desde noções de marketing pela internet (webmarketing), tendências do comércio eletrônico, até a segurança na comercialização para quem vende. O Ciclo MPE configura-se como uma possibilidade de troca de experiências com nomes reconhecidos nesse segmento. Exemplo disso, será o palestrante Fernando Kimura, que atua no marketing da Microsoft Brasil e blogueiro do 1001 Ideias; Felipe Ronan, do UOL Host; entre outros como representantes do UOL Pag Seguro e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).  

O Sebrae, parceiro do evento, que é uma iniciativa da Câmara e-net, também terá destaque na programação das palestras. O consultor do programa Comércio Brasil, Fabrício Magalhães, ministrará sobre “Internet para Pequenos Negócios”, assunto que, segundo o coordenador de Indústria, Comércio e Serviços do Sebrae/TO, Ademir Whitman, é de grande interesse para a realidade do empresariado local.  

“Dizemos isso com base na procura pelas ações que o Sebrae desenvolve voltadas para esse público, como o Bolsa de Negócios, Na Medida e o Comércio Brasil. Os atendimentos vem crescendo significativamente, e o Ciclo MPE é uma excelente oportunidade para os empreendedores adquirirem informações fundamentais para novas estratégias que desejam implantar em seus negócios”, diz Whitman.

Números e Incentivos  

De acordo com dados da Câmara e-net, somente no primeiro semestre o comércio eletrônico cresceu 21% no Brasil, faturando 10,2 bilhões de reais. E o número de consumidores chega a 5,6 milhões.

No Tocantins ainda não há oficialmente uma estatística fechada sobre empresas que desenvolvem comércio eletrônico, mas os incentivos já existem, tanto para as que realizam atividades exclusivamente pela internet como para as que utilizam a rede para vendas por correspondência. 

Conforme dados da Secretaria Estadual da Indústria e Comércio do Estado, há um diferencial de alíquota do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) para vendas realizadas pela internet para consumidores de fora do Estado, que é de 1%; de 2% nas operações que importem mercadorias para revenda; e a contribuição para o Fundo de Desenvolvimento Econômico, que é fixada em 0,3%  para esses casos. (Ascom Sebrae)