Economia

Foto: Divulgação

A Pesquisa que mede o Endividamento e a Inadimplência dos Consumidores em Palmas – PEIC, no mês de novembro, registrou um declínio de 2,8% em seu nível de endividamento quando comparado a outubro desse mesmo ano. Pela amostra recolhida, 75,8% do total de entrevistados disseram estar endividado, pouco mais de 11% estão com contas em atraso, mas apenas 0,8% não terão condições de quitar suas contas, o que é positivo para o comércio.  

Dos entrevistados que disseram estar endividados, 67,5% consideram-se pouco endividados e somente 2,8% acreditam estar muito endividados. Entretanto, os endividados em sua maioria fizeram contas por mais de 1 ano (55,8%) e gastam de 11 a 50% de sua renda atual com dívidas, o que se torna bastante preocupante. O número de pessoas que comprometem essa faixa percentual de sua renda com contas subiu 4,4% do mês de outubro para novembro.  

Para o presidente da Fecomércio Tocantins, Hugo de Carvalho, esse dado é muito importante para o comércio. “O índice de alto comprometimento da renda no mês de novembro foi de 75,6%. Esse dado que vem crescendo é preocupante, pois sabemos que a porcentagem ideal para dívidas fixas é de até 30%. As empresas devem ficar atentas a essa informação, pois quando mais se compromete a renda, a tendência é que futuramente, atrasem mais as contas ou até mesmo não tenham condições de pagar”, explicou.  

Quanto aos entrevistados que disseram estar com conta em atraso, 38,4% estão com contas atrasadas em até 30 dias, 34,3% com atraso acima de 90 dias e 27,2% entre 30 e 90 dias. Com isso, o tempo médio calculado para as contas em atrasos é de 53 dias. Já o ranking dos meios de endividamento continua o mesmo: cartão de crédito em primeiro lugar (77,8%), seguidos de carnês (34,9%) e financiamento de carro (30,2%). (Ascom Fecomércio)

Por: Redação

Tags: Fecomércio, Hugo de Carvalho