Polí­tica

Com os repasses do Fundo Partidário suspenso deste junho deste ano o diretório estadual do PMDB estaria com uma dívida de mais de R$ 330 mil, segundo levantamento que foi feito nas contas da sigla e que o Conexão Tocantins teve acesso.

O deputado federal Júnior Coimbra assumiu a legenda em março de 2011 e teria encontrado, segundo aponta o levantamento, R$ 76.663,85 numa conta e R$ 5.995,32 em outra. Os extratos bancários mostram que até o final do exercício de 2011, o partido recebeu cotas no valor de R$ 506.167,47.

No exercício de 2012, até a data da suspensão dos repasses do Fundo Partidário, junho/2012, teriam sido repassados ao Diretório Regional, recursos no valor de R$ 267.160,88, que somado aos repasses do exercício anterior, totaliza a importância de R$ 849.992,20.

Somente de notificações da Justiça Eleitoral que se referem à irregularidades constantes em Prestações de Contas de exercício anteriores, o partido teria uma dívida de R$ 139.601,22. Na gestão de Coimbra não teriam sido tomadas medidas para pagar a divida o que motivou a suspensão do fundo.

O diretório nacional estaria repassando cerca de R$ 20 mil para o diretório sanar despesas com pessoal, aluguel, telefones, contabilidade e encargos sociais.

Membros do partido se reuniram para tratar do assunto e querem que sejam tomadas providências sobre o assunto.