Esporte

Foto: Manoel Lima

A equipe feminina de vôlei do Tocantins, apesar da derrota para o time do Pará na finalíssima das Olimpíadas Escolares da categoria 15 a 17 anos, que ocorre em Cuiabá, voltam para Palmas como as primeiras do Estado a conquistarem uma medalha de prata na segunda divisão da maior competição entre estudantes do Brasil, o que, para completar, leva o Tocantins de volta à elite da modalidade nos Jogos já a partir de 2013. 

Como era previsto, a partida contra as paraenses, que não perderam um set sequer durante o torneio, foi muito difícil, dado o alto nível técnico das adversárias. O placar do jogo, ao término dele, foi de 3 sets a 0 para o Pará, com parciais de 25 a 11, 25 a 15 e 26 a 24. A última parcial, por sinal, conforme a avaliação das próprias oponentes, foi o mais duro para elas nas Olimpíadas, já que as jogadoras tocantinenses chegaram a marcar 24 a 23 no placar, tendo um “set-point” (ponto valendo o set) em mãos, oportunidade que foi desperdiçada com um erro de saque. 

Trabalho árduo

Para a libero da equipe tocantinense, Jéssica Barbosa, as conquistas obtidas por ela e o restante da equipe foi fruto de muita dedicação e esforço, por isto, estão sendo tão comemoradas. “Esta é uma conquista inédita para o Tocantins, e isto veio com muita garra, muita luta, pois no treinamento nós focamos tudo isto. Teve momento (nas Olimpíadas) que pensamos que não fosse dar certo, mas a gente conseguiu superar, e estamos aqui, com a medalha inédita para o Estado. É uma honra representar isto na história do Tocantins, porque a gente está aumentando a visibilidade dele no cenário nacional, provando que não é porque o nosso Estado é novo que ele não tem qualidade no Vôlei. Agora, queremos fazer mais no ano que vem, só que, desta vez, na primeira divisão, contra times mais fortes, como o Rio de Janeiro e Santa Catarina. Por isto, vamos nos dedicar muito para brigar por medalhas e, no mínimo, nos mantermos na primeira divisão”, disse a jogadora de 17 anos, ressaltando, ainda, com humildade, a qualidade das rivais: “a gente sabia que o Pará era tecnicamente melhor, que tinha um jogo mais consistente. Por isto ter quase vencido um set contra elas foi um sinal de que jogamos bem; muitos imaginavam que isto seria impossível (vencer um set), mas a gente quase chegou lá”, finalizou Jéssica. 

Foco de momento: aprimoramento técnico

Também consciente da superioridade das rivais paraenses, o treinador das meninas-de-prata do vôlei do Tocantins, Antônio Oliveira, mais conhecido por Zico, afirmou que a intensidade dos treinos das jogadoras, de agora em diante, terá de mudar para que as tocantinenses se adequem ao nível técnico das demais equipes que integram a primeira divisão da modalidade nas Olimpíadas Escolares. “O Pará já é uma equipe tecnicamente é muito melhor que a nossa, pois tem um saque forte, ataca bem e defende bem. Por isto, as nossas meninas têm de melhorar muito, principalmente na recepção, para chegarem com chances de fazerem jogos equilibrados, até porque o padrão da elite é ainda superior ao do Pará, que já está bem a nossa frente”, destacou Zico. (Ascom Seduc)