Polí­cia

Foto: Divulgação

Policiais civis da Delegacia de Divisão de Homicídios e Proteção a Pessoa, com o apoio do 1° Batalhão da Polícia Militar de Palmas, prenderam na manhã desta sexta-feira, 7, depois de mais de um ano de investigação, Agnaldo Pereira de Sá, 36 anos, conhecido como “Gordo” e Márcio Borges de Castro, 35 anos, o “Novinho”.  Os dois são suspeitos da morte de Maria Letícia Simbalista de Souza, 25 anos. O corpo da jovem foi encontrado estrangulado no dia 22 de outubro de 2011 em um matagal atrás do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), em Palmas.

De acordo com o delegado, João Sérgio Kennup, várias testemunhas narraram com detalhes em filmagens como aconteceu o crime e qual a sua motivação. A filmagem foi previamente autorizada pelo Poder Judiciário e homologada pelo Ministério Público do Estado. Durante o relato das testemunhas a Polícia Civil descobriu que o Márcio, que é considerado o patrão do tráfico na região norte da Capital, determinou que o “Gordo” fosse a Porto Nacional e comprasse um quilo de crack no valor de R$ 12 mil.

Ainda segundo as testemunhas, Gordo, como já tinha passagem pela polícia, chamou a Letícia para servir de mula para o transporte da droga. Conforme os relatos, ambos foram a Porto nacional, compraram o crack que deveria ser comercializado em Palmas. No entanto, ao invés de voltar para Palmas e entregar a droga para Márcio, Gordo e Letícia seguiram para Paraíso e venderam o produto naquela localidade.

Ainda conforme as testemunhas, como “Gordo” sabia que Letícia era usuária e dependente de droga, deu uma parte a ela e determinou que sumisse.

De acordo com o delegado, as testemunhas afirmaram ainda que “Gordo” foi ao encontro de Márcio e mentiu quanto ao fim do produto e afirmou que Leticia havia sumido com a droga.

Conforme as testemunhas, no meio da conversa, Márcio determinou que Gordo a matasse, pois assim a dívida ficaria paga e a ordem foi cumprida.

Os dois suspeitos vão responder pelo crime de homicídio, formação de quadrilha, ocultação de cadáver e ainda por tráfico e associação para o tráfico de drogas.

Os mesmos foram ouvidos e encaminhados para a Casa de Prisão Provisória de Palmas, onde estão à disposição da Justiça.  (Ascom SSP)