Polí­tica

Foto: Georgya Laranjeira

O vice-governador João Oliveira (PSD) disse ao Conexão Tocantins nesta terça-feira, 29, que não está participando da preparação da mudança na atual gestão estadual. A reforma está prevista para ser anunciada em fevereiro e tem como intenção diminuir as despesas e dinamizar a administração estadual. “ Estamos na posição de vanguarda mas não estamos participando. Isto é algo exclusivo do governador”, disse.

Oliveira contou ainda que o PSD não sabe se manterá os espaços ocupados por membros da legenda. “Somos governo e não o governador e estamos à disposição para o que o governador precisar de nós”, conta. O presidente regional do PSD informou também que a vice-governadoria não passará por nenhuma alteração com a reforma e que está satisfeito com a estrutura que tem á sua disposição.

Numa breve avaliação sobre o trabalho do governo o vice disse que é preciso trabalhar mais e mencionou que Siqueira ainda está refém de compromissos assumidos pelas gestões anteriores que estariam comprometendo a capacidade de investimento do Estado.

Kátia e Eduardo                   

Outro assunto comentado pelo vice-governador ao Conexão Tocantins foi com relação aos preparativos para a mobilização do partido tendo em vista o pleito estadual de 2014. “ Ainda não estamos trabalhando nos municípios. Estamos na fase de pedir para que todo mundo se integre na administração. É hora de se firmar na gestão”, frisou.

O vice-governador conta que sua orientação para os membros do partido é que mantenham a aliança com o governo estadual para 2014. “ A orientação é para que mantenhamos a união e que ninguém procure se dilatar. Quero manter a unidade entre o partido e o governo”, frisou.

Os nomes mais cogitados para o governo no grupo governista são o secretário de relações Institucionais, Eduardo Siqueira Campos e a senadora Kátia Abreu do PSD.Oliveira defendeu os dois nomes. “ Temos bons nomes. Nosso grupo está repleto de bons nomes”, comentou. Oliveira porém saiu em defesa do nome de Eduardo. “ Vejo que ele é um cara preparado que tem experiência. Trabalho pela união, para que nos mantenhamos juntos”, disse.

Oliveira disse que as articulações para viabilização de um dos nomes ainda não estão definidas e teve cautela em comentar a possibilidade de assumir o governo caso o governador Siqueira Campos deixe o cargo para Eduardo se candidatar.