Estado

Foto: Divulgação Vera Nilva já está analisando a representação Vera Nilva já está analisando a representação

A procuradora geral de Justiça,  Vera Nilva Álvares Rocha Lira, já está analisando a representação protocalada no Ministério Público Estadual pelo advogado Eid Badr contra o procurador Geral do Estado André Luiz de Matos Gonçalves. A denúncia acusa o procurador de nepotismo pela nomeação de sua irmã Fernanda Matos Badr na Unitins em dezembro do ano passado e logo depois no Tribunal de Justiça onde a advogada atua. A nomeação de Fernanda na Unitins foi publicada no Diário Oficial do Estado do dia 28 de dezembro do ano passado mas não apresentou documentos comprobatórios para a contratação que foi cancelada no dia 11 de janeiro.

Conforme o MPE informou ao Conexão Tocantins nesta sexta-feira, 15, o parecer da procuradora não será divulgado por que o advogado autor da ação solicitou sigilo. A mesma denúncia foi protocolada também no Tribunal de Contas do Estado que também analisa a representação. O denunciante pede que seja aberta uma ação de improbidade administrativa contra o procurador e que o contrato de Fernanda seja cancelado.

O reitor da Fundação Universidade do Tocantins (Unitins), Joaber Divino Macedo também é alvo da denúncia por suposta contratação inconstitucional. O denunciante alega que o procurador usou o cargo para favorecer a nomeação da irmã. Por outro lado o procurador Geral informou ao Conexão Tocantins que  sua irmã não chegou a ser contratada na instituição.

No TJ, Fernanda é assessora jurídica do gabinete da desembargadora do Tribunal de Justiça (TJ), Jaqueline Adorno. Ela foi nomeada quando a desembargadora estava como governadora em exercício o que também é questionado na Ação. O advogado diz na representação que vai comunicar tal fato ao Conselho Nacional de Justiça. Com relação à nomeação no TJ o procurador argumenta que não há como configurar nepotismo já que é outra esfera de poder.

A ação ocorre em razão de questões familiares. O denunciante e Fernanda estão em processo de divórcio litigioso. Há ainda denúncias e suspeita de que possa ter ocorrido violência doméstica no caso.