Estado

Foto: Divulgação

Foi realizado neste último domingo, 24 de fevereiro, com o tema “Mais poder e políticas para as mulheres” o I Encontro Estadual para fundação oficial da União Brasileira de Mulheres – Seção Tocantins – UBM/TO, no auditório da Câmara Municipal de Palmas.

A União Brasileira de Mulheres -UBM- Seção Tocantins se constitui como uma entidade sem fins lucrativos, de caráter permanente, deliberativa, consultiva e fiscalizadora. Congrega mulheres para lutar pelos direitos e emancipação da mulher, pela igualdade das relações sociais de gênero.

Para Maria Luiza Gomes, coordenadora estadual, a fundação da UBM Tocantins é um importante passo dado pelas mulheres no Estado “criamos mais um instrumento de defesa da mulher que vem somar forças com os demais movimentos de mulheres existentes, para juntas fortalecer a nossa luta defesa de direitos e políticas públicas”.

O Encontro contou com a participação de 67 pessoas, sendo que 46 mulheres associaram a UBM Seção Tocantins. Neste encontro foi também eleita a 1ª coordenação estadual da entidade composta pelas seguintes associadas fundadoras.

Coordenação Estadual da UBM Tocantins

Coordenadora Estadual: Maria Luiza Gomes da Silva;

Vice Coordenadora: Maria Valdina Sanches;

Coordenadora de organização: Maria de Fátima Dourado Silva;

Vice coordenadora de organização: Rosicléia Palsinq de Freitas

Coordenadora de finanças: Cida Glória

Vice coord. de finanças: Alain Sales Castro

Coordenadora de Formação: Nayra Lorena Sousa Luz Gonçalves

Coordenadora de projetos: Evanilde Gomes Ferreira

Coordenadora de Juventude: Adrielle Betina Oliveira

Coordenadora de Cultura: Nilma Ferreira de Sousa

Coordenadora de Questão étnica-racial: Leisa Ribeiro Krahô Kanela 

Coordenadora de Movimentos Sociais: Silvia Patrícia Costa

Coordenadora de Meio Ambiente: Maria Edileuza Mendes

Coordenadora de Assuntos Jurídicos: Maria Lucia Soares Viana

Conselho Fiscal:

Jucilene Vieira Pereira

Núbia Dantas Macedo

Maria Izabel Gama Maciel

A UBM Seção Tocantins tem como objetivo lutar, como está expresso em seu Estatuto:

-      Contra a opressão de gênero na perspectiva emancipacionista;

-     Pelas reivindicações sociais da mulher em relação ao trabalho, combate à violência de gênero, saúde, direitos sexuais e direitos reprodutivos, educação não discriminatória, lazer e equipamentos sociais;

-      Para que a maternidade seja compreendida na sua função social por toda a sociedade;

       -  Pela união e participação da mulher ao lado dos demais segmentos da sociedade na luta por democracia, soberania nacional, pelos direitos sociais, pela paz e por uma nova sociedade livre de toda opressão e exploração.