Meio Ambiente

Foto: Divulgação

O Governo do Estado publicou no Diário Oficial da última segunda-feira, 4, o Edital de Convocação da Consulta Pública para criação da Unidade de Conservação da Serra da Cangalha, no município de Campos Lindos. O referido edital está de acordo com a Lei Estadual N° 1.560 de 05/04/200, que determina que a criação de uma unidade de conservação deve ser precedida de consulta pública, cuja finalidade é subsidiar a definição da localização, da dimensão e dos limites mais adequados para a unidade.

O evento acontecerá na sede do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Campos Lindos, das 14h às 17h do próximo dia 21 de março, e na ocasião, a Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semades) apresentará de modo claro e em linguagem acessível a proposta técnica da Unidade de Conservação, a justificativa para sua criação e suas implicações para a população local e região. Além disso, a Consulta Pública servirá para esclarecer dúvidas e levantar sugestões e críticas da comunidade local com relação à criação da Unidade de Conservação da Serra da Cangalha.  

A unidade

A Unidade de Conservação da Serra da Cangalha é resultado de estudos iniciados em 2008 em parceria entre o Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins), a organização não governamental The Nature Conservancy (TNC) e a Secretaria do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semades) e sua área prevista é de 16.763 hectares e no município de Campos Lindos. O monumento natural não prevê desapropriação obrigatória de suas terras e permite que atividades diversas sejam realizadas em seu interior, desde que compatíveis com os objetivos de conservação da Unidade. A sua criação levará uma série de benefícios à comunidade local e regional, entre os quais destacam-se:

• Potencial turístico associado ao interesse científico do astroblema (cratera criada a partir do impacto de um asteróide);

• Incremento do ICMS Ecológico e fortalecimento da gestão ambiental do

município;

• O estímulo a atividades econômicas sustentáveis, como o turismo agroecológico

e as boas práticas agrícolas;

•  Prevenção e minimização de riscos e ameaças ao ambiente. (Ascom Semades)