Polí­tica

Foto: Divulgação

O Partido dos Trabalhadores no Estado já começa a se movimentar para o pleito do próximo ano. A legenda, conforme adiantou o Conexão Tocantins, foi uma das primeiras a iniciar conversas com o PP para a formação de um grupo para as eleições do próximo ano. A intenção é agregar as legendas da base da presidente Dilma Rousseff.

O presidente do partido no Estado, Donizeti Nogueira confirmou as conversas com os partidos e adiantou que a sigla começará uma ação partidária para ouvir a base nos municípios. “Estamos começando uma ação de viagens no Estado. Vamos realizar encontros macroregionais a partir de sábado até o dia 7 de abril”, disse.

Além do PP do Lázaro Botelho e do prefeito de Palmas, Carlos Amastha, o PT dialoga com o PCdoB e pretende conversar com PR, PSB e PMDB. “Este diálogo com os partidos da base da presidente Dilma em especial com o PSB, PR, PP , PCdoB e PMDB estão na nossa linha de discussão”, comentou.

O partido, que chegou a lançar candidato próprio para o governo em 2010 mas desistiu da candidatura depois da convenção, defende uma candidatura alternativa para o palácio Araguaia. “ Nós queremos a construção de um projeto alternativo para o Estado e isso é uma definição que vai ficar clara em 14 de abril quando faremos um grande encontro”, frisou.

Nogueira evitou citar nomes do partido que teriam condições de disputar o governo e ponderou que é preciso primeiro ouvir a base e a militância da legenda.

Cenário                            

Paralelo ás movimentações do PT o ex-prefeito de Palmas, Raul Filho que por enquanto ainda permanece na sigla deve começar ainda neste semestre ma movimentação pelos municípios do Estado junto com o senador João Ribeiro.Em entrevista ao Conexão Tocantins na semana passada o ex-gestor  não confirmou que pretende disputar o Senado mas esta seria sua pretensão junto ao grupo de Ribeiro.

O PT vive ainda outra situação interna com relação ao posicionamento dos deputados estaduais. Dos três parlamentares da legenda, José Roberto Forzani e Amália Santana não próximos ao governo o que não descarta uma abertura para uma possível aproximação política visando o pleito do próximo ano. Já Solange Duailibe é oposição declarada ao governo estadual .