Meio Ambiente

A Comissão de Combate às Queimadas, da Defesa Civil de Palmas, realizou, nesta terça-feira, 30, a última reunião de elaboração do Plano de Contingência de Incêndio Florestal e Queimadas Urbanas e Rurais 2013. Na ocasião, o superintendente da Defesa Civil, Iranilto Sales, elencou as diretrizes e ações de combate e controle das queimadas que serão executadas pelo órgão na capital, bem como as ações educativas e preventivas.

De acordo com Sales, o objetivo é reduzir em 10% os índices de queimadas. “Vamos trabalhar em parceria para reduzir de forma significativa esses índices e promover a conscientização das comunidades urbanas e rurais sobre os riscos causados pelas queimadas”.
 
As equipes de combate cumprirão escalas de 12 por 36 horas, sendo que cada base será composta por dois motoristas e oito brigadistas. Os grupos serão divididos em três bases de apoio. A prioridade será atender as 13 unidades de conservação do município.

A Base 1 - região Norte, será baseada na Associação Comunitária da Arno 42, com as seguintes área de atuação: alinhamento da avenida JK aos limites do município da direção Norte e Leste.

A Base 2 - região Central, terá como ponto de apoio o Quartel da Guarda Metropolitana e sua área de atuação será a Avenida JK, lago e encosta da serra até o Ribeirão Taquarussu.

Já a Base 3 - região sul, ficará no Corpo de Bombeiros, com a seguinte área de atuação: do Ribeirão Taquarussu aos limites de Porto Nacional. Na direção leste aos limites de Taquaruçu, Parque Estadual de Lajeado, limites de Buritirana  e Serra do Lajeado a Ponte Alta.

Projeto

Em seguida, o  gerente de controle e coordenação operacional, Marcelo Pereira Lima,  apresentou o Projeto do dia  D de Prevenção e Combate às Queimadas em Área Rural para 2013. O projeto é parte integrante do Plano de Contingência para Incêndios Florestais e Queimadas Urbanas de Palmas.

De acordo com a Defesa Civil, a maioria dos focos registrados no município ocorre na zona rural, principalmente os de grande vulto.

Tendo como público alvo as comunidades rurais do entorno de Palmas, o projeto tem como objetivo orientar os moradores da Zona Rural quanto às medidas a serem tomadas para a realização da queima controlada, e suas consequências penais quando feita de forma ilegal.

De acordo com Iranilton Sales, o objetivo é alcançar um maior número possível de propriedades. “Iremos trabalhar de forma preventiva, orientando e conscientizando os produtores rurais sobre os desastres, ameaças e riscos originários pelos incêndios florestais”, disse.

Plano

O plano de ação contra queimadas contempla diversas ações, dentre elas a criação de uma brigada com 40 homens, com duas bases na capital: uma que atenda o plano diretor e outra a Região Sul. A proposta contempla ainda a otimização dos canais de comunicação para que a comunidade possa fazer denúncias de focos de incêndios,  através da linha 190, 199 e  o 0800631155.
 
Participaram da reunião a Guarda Metropolitana - Divisão Ambiental, a Secretária Municipal de Desenvolvimento Social, Secretária Municipal de Saúde, através da Diretoria de vigilância Ambiental, Secretaria de Meio Ambiente e Urbanismo, Defesa Civil Estadual e a Municipal, Eletrobrás/Eletronorte, Celtins, Naturatins, Ibama, Infraero, FOZ/Saneatins, Adapec e Ação em Defesa da Vida.