Campo

Foto: Divulgação

A partir de agora, o produtor rural tocantinense passa a contar com a vacina RB 51 contra a brucelose, indicada para fêmeas acima de oito meses. A Portaria que torna a vacina obrigatória foi assinada na manhã desta quinta-feira, 9, durante reunião da Faet – Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Tocantins, na Agrotins, que contou com a participação da senadora Kátia Abreu, do presidente da Adapec  - Agência de Defesa Agropecuária, Marcelo Aguiar Inocente, produtores rurais e demais autoridades.

O produtor terá um tempo para se adequar a nova medida que começará a valer a partir do dia 1º de setembro. “Faremos um trabalho de Educação Sanitária com orientações para que os pecuaristas fiquem bem informados. Nosso maior interesse é ter mais suporte nas ações de prevenção e controle da brucelose”, ressaltou o presidente da Adapec, Marcelo Aguiar Inocente.

De acordo com o gerente da empresa MSD - Saúde Animal, fabricante da vacina,  Denis Alves, a vacina já está no mercado há cinco anos e o maior diferencial do produto é a proteção sem interferência no resultado sorológico dos animais. “A vacina é um reforço a imunização do rebanho. A previsão é de que em julho ela já esteja do mercado, já que é importada dos Estados Unidos”, explicou.

Para o produtor rural da Fazenda Bela Vista, situada no município de Sandolândia, Antônio Abreu, a vacina é nova uma nova aliada ao homem do campo, já que a brucelose é uma zoonose e altamente contagiosa. “O investimento será pequeno diante de tanto benefício”, declarou fazendo menção ao valor de mercado da vacina que custará R$ 3,50 a R$ 4,00.

A responsável técnica pelo Programa Estadual de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose – PECEBT, Regina Barbosa Gonçalves, faz um alerta “A vacina B19 continua obrigatória para fêmeas entre 3 e 8 meses de idade”. (Ascom Adapec)