Campo

Os produtores rurais devem ficar atentos, o prazo para vacinar o rebanho já terminou, mas a comprovação do ato segue até o dia 10 de junho. Para tanto, o pecuarista deve procurar a unidade da Agência de Defesa Agropecuária (Adapec), onde sua ficha cadastral é movimentada, munido da nota fiscal da vacina e da carta aviso. A campanha de vacinação contra febre aftosa foi realizada de 1º a 31 de maio.

Atualmente, o Tocantins conta com mais de 8 milhões de bovinos e bubalinos, distribuídos em mais de 55 mil propriedades rurais. “Tão importante quanto vacinar é declarar a vacinação para que todos tenham segurança da sanidade do rebanho. Sabemos que os produtores estão cada vez mais consciente do seu papel, por isso, esperamos que todos cumpram o prazo”, disse o diretor de Defesa, Inspeção e Sanidade Animal da Adapec, João Eduardo Pinto Pires.

A vacinação realizada fora do período da campanha não será reconhecida. As lojas agropecuárias também não podem vender a vacina sem autorização da Adapec, nem mesmo para outros estados e a GTA – Guia de Trânsito Animal, documento obrigatório para o transporte, só pode ser emitida mediante a comprovação da vacinação. “A partir do dia 10 de junho, os escritórios farão um balanço para detectar os produtores rurais inadimplentes e depois notificá-los”, explica Pires.

No caso de omissão, o produtor será multado em R$ 5,32 por animal e R$ 127,69 por propriedade rural não declarada. Em seguida, a vacinação será acompanhada pelos técnicos da Adapec. “Todo este cuidado é para preservar o status sanitário do Tocantins, livre de febre aftosa com vacinação, e continuarmos sendo referência em sanidade animal”, diz o presidente da Adapec, Marcelo Aguiar Inocente.