Palmas

Foto: Valério Zelaya

A primeira-dama de Palmas, Glô Amastha, visitou na manhã desta quinta-feira, 6, o bazar de artesanato, na Defensoria Pública em Palmas, produzido pelas reeducandas da Unidade Prisional Feminina do Município. “Um projeto de grande importância, já que objetiva, além de uma terapia ocupacional para as reeducandas, a redução da pena e a geração de renda para essas mulheres e suas famílias”, disse a primeira-dama.  

A primeira-dama estava acompanhada pela secretária de Desenvolvimento Social, Maria Luiza Gomes. No local, estavam o defensor público geral, Marlon Costa Luz Amorim, e a defensora pública de Execuções Penais, Maurina Jácome.

Para Glô Amastha, outro ponto relevante desse projeto da Defensoria Pública é a qualificação das pessoas que estão nessas unidades prisionais, para que lhes sejam dada a oportunidade de reinserção na sociedade. “Falo isso, como cidadã, como mulher, e é uma ação que precisa ter apoio, principalmente dos grandes empresários”, destacou.

Parceria 

Na oportunidade, a secretária de Desenvolvimento Social, em conversa com o defensor público geral, adiantou o interesse do município em fazer parceria com o órgão, para o escoamento dessa produção de artesanato, objetivando o aumento da geração de renda para as reeducandas e o atendimento de seus familiares pelos programas do órgão municipal, dentro da política nacional de assistência social.

Para a formalização dessa parceria, de acordo com Maria Luiza, será elaborado um projeto. No entanto, a Secretaria já disponibilizará etandes para comercialização desses produtos nos eventos que acontecerem a partir de agora. “A Conferência de Assistência Social que acontecerá no mês de agosto terá um espaço reservado para a comercialização desse artesanato”, enfatizou a secretária de Desenvolvimento Social.