Estado

Foto: Divulgação

Uma reunião nesta sexta-feira, 14, na Procuradoria da República no Tocantins (PR/TO), debateu possíveis alternativas capazes de reduzir a incidência de suicídios entre índios da etnia javaé na Ilha do Bananal. Duas aldeias ainda estão em luto devido a recentes suicídios de três jovens entre 12 e 16 anos. Com intermediação do Ministério Público Federal, representantes da Funai, Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI Tocantins), Instituto Federal de Educação (IFTO) e secretarias estaduais de Educação, Defesa Social e dos Esportes encaminharam que deve se realizada uma ação interinstitucional nas aldeias javaé no início de agosto, com promoção de eventos esportivos e ações pontuais de saúde e prevenção de novas ocorrências. Para coordenar os atos, nova reunião está agendada para o dia 5 de julho, na PR/TO.

Para Cleiton Javaé, representante da Coordenação dos Povos Javaé da Ilha do Bananal (Conjaba), as causas dos suicídios levantadas são apenas especulações, sendo muito difícil determinar a real motivação. Segundo ele, as três mortes recentes foram de adolescentes que não tinha histórico de envolvimento com drogas nem abuso de álcool. “As questões culturais e espirituais são muito fortes entre nosso povo, e estes fatores devem ser considerados nas buscas pelas soluções”, disse.

Os povos indígenas têm grande crença em feitiços e na sua eficiência para inclusive levar uma pessoa à morte. Já está na região um pajé vindo de Barra do Garças (MT), pois segundo os índios é mais fácil que um pajé de fora seja capaz de reverter os feitiços, caso existam.

O procurador da República Álvaro Manzano afirmou que a grande ocorrência de casos de alcoolismo e abuso de drogas entre os índios pode ser consequência de problemas como a falta de perspectivas de vida. A busca pela solução dos problemas dos índios, inclusive a proibição da entrada de bebida nas aldeias, muito cogitada pelas lideranças, deve ser debatida e adotada pelos próprios índios. “São eles quem devem decidir por medidas como essa, e também a forma como será feita”, disse.

Outros fatores foram apontados como possíveis causas dos suicídios, como influência de valores da sociedade difundidos pela televisão, apelos ao consumo de bens não atendidos pela falta de poder de compra e depressão ocasionada por conflito entre a tradição dos povos indígenas e a constante influência externa nas aldeias devido à proximidade com as cidades ribeirinhas do Araguaia. (MPF)