Campo

Foto: Divulgação

Começa neste mês de junho no Tocantins a colheita do milho safrinha da safra 2012/2013. O plantio do grão ocorreu logo após a colheita da soja, entre fevereiro até meados de março de 2013, aproveitando os últimos meses do período chuvoso. As chuvas generalizadas ocorridas nos meses de maio e junho foram as responsáveis pela produtividade recorde de 4.710 quilos por hectare. Uma variação positiva de 11,7% em relação à safra anterior. O milho segunda safra é cultivado em apenas 14 estados brasileiros, e na região Norte, em somente dois, Tocantins e Rondônia.   

A área cultivada é de 40,9 mil hectares. Já a produção, segundo previsão da Comissão Estadual de Levantamento de Informação Agrícola, aponta que o Estado vai colher 192,6 mil toneladas, 2,9% superior à safra de 2011/2012, que foi de 187,1 mil. 

De acordo com o assessor executivo de Desenvolvimento Vegetal da Secretaria Estadual da Agricultura e Pecuária (Seagro), José Américo Vasconcelos, os produtores aproveitam que a soja foi colhida e utilizam a área para o cultivo do milho safrinha. “O custo diminui com insumos além de promover a rotação de cultura”, argumenta.

Nacional

No Brasil, a previsão é colher 43,62 milhões de toneladas, em uma área de 8,9 milhões de hectares. O destaque da produção vai para os estados da região Centro-Sul, Mato Grosso do Sul, Goiás e Minas Gerais. “Foi observado que a ocorrência de chuvas a partir da semana iniciada em 27 de abril, seguramente repercutirá na melhoria da produtividade das lavouras, especialmente daquelas plantadas fora do ciclo”, explica Vasconcelos, acrescentando que a nível nacional a produtividade apresentou um incremento de 2,3%, quando comparado com o resultado do ano passado. “Fruto do melhor desempenho das lavouras nos estados da Região Sul e de uma melhor performance, tanto na Região Norte quanto Nordeste”, completa o assessor.

Comissão

A comissão Estadual de Levantamento de Informação Agrícola é formada pela  Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Seagro, Agência de Defesa Agropecuária (Adapec), Instituto de Desenvolvimento Rural do Tocantins (Ruraltins) e agentes financeiros. (Ascom Seagro)