Meio Ambiente

Foto: João Paulo Brito Eduardo Góes Neves acredita que processo de expansão das grandes cidades pode apagar características da história do local Eduardo Góes Neves acredita que processo de expansão das grandes cidades pode apagar características da história do local

Pesquisador alerta para o crescimento constante das grandes capitais da região amazônica, como por exemplo a cidade de Manaus, onde muitos locais de estudos arqueológicos são alterados por conta da expansão da área urbana.

O arqueólogo Eduardo Góes Neves acredita que esse processo de expansão das grandes cidades pode apagar características da história do local: “Imagino que esse crescimento urbano está levando, sim, à destruição do patrimônio arqueológico”.

O arqueólogo trabalhava em um projeto de construção de um centro de pesquisa e formação de arqueológicos em Iranduba, cidade da periferia de Manaus. Segundo Neves, os ribeirinhos e caboclos que vivem na região poderiam receber instruções e formação de como agir com as cerâmicas e artefatos encontrados na região e pensar até em uma forma de turismo histórico-sustentável. “A ideia não era tirar as coleções de lá”, afirma.

Entretanto, o projeto não foi adiante por falta de auxílio financeiro do governo do Estado e da Petrobrás. “A ideia acabou não indo adiante. O que é uma pena, porque de maneira muito simples isso poderia ser uma coisa voltada para o trabalho dessas populações ribeirinhas”, comenta.

Outro problema relacionado às antiguidades da Amazônia brasileira é a mercantilização da arqueologia, que leva a deficiência no campo profissional. “Todo mundo [da nova geração de arqueólogos] quer abrir a sua empresa e ganhar dinheiro”, diz Eduardo Neves. Com isso, Neves acredita que o patrimônio arqueológico está se tornando uma commodity, e que muitos arqueólogos acabam legitimando esse processo de destruição do patrimônio histórico-cultural brasileiro. Com isso, “o contrabando ilegal está fora do radar”, conclui o arqueólogo.