Polí­tica

Foto: Divulgação

O deputado estadual Marcelo Lelis (PV) que propôs por requerimento a extinção do auxílio-moradia para os parlamentares diz ter expectativa de que a matéria deverá ser aprovada antes do recesso que começa no dia 4 de julho, na próxima semana. “O momento é de reflexão, sei que é um negócio difícil, sei que votei da primeira vez, reconheço erro agora é hora de recuar e consertar isso”, disse.

O presidente da Casa de leis, Sandoval Cardoso já sinalizou que se a maioria dos deputados aprovarem o benefício poderá ser extinto. Ele diz que vai apoiar a vontade da maioria.

Lelis estima que pelo menos os deputados que abriram mão, Josi Nunes (PMDB), Luana Ribeiro (PR), Sargento Aragão (PPS), Freire Junior (PSDB) e Eli Borges (PMDB) devem aprovar seu requerimento. Alguns deputados como o líder do governo Carlão da Saneatins (PSDB) também á teriam sinalizado que vão concordar com o requerimento.

Já o deputado e vice-presidente da Casa de Leis, Osíres Damaso disse ao Conexão Tocantins que é preciso lembrar que todos os 24 assinaram o ato da mesa diretora que instituiu o auxílio. “Todos assinaram num primeiro momento, isso não é ilegal nem imoral. O que eu sou contra é político que pega dinheiro de obras para fazer caixa de campanha”, frisou sem citar nomes.

Para Damaso, o deputado Lelis quer ser o salvador da pátria. “Todos os 24 deputados ali tem suas qualidades mas não tem ninguém que é mais santinho e se disser isso é falta de compromisso com o que faz”, avaliou.