Campo

Foto: Divulgação

Após conclusão do inquérito soroepidemiológico da Peste Suína Clássica (PSC) realizado pela Agência de Defesa Agropecuária (Adapec), o Tocantins continua sendo considerado área livre da doença. Esta pesquisa iniciou em outubro de 2012 e encerrou na semana passada. Neste período 318 criatórios de suídeos foram visitados em todo o Estado e mais de três mil amostras de sangue coletadas. O resultado é que nenhum animal positivo foi encontrado.

Durante o inquérito, cerca de 40 equipes de profissionais da Agência percorreram 115 municípios do Estado. “Realizamos investigação epidemiológica, colheita de sangue e marcação dos animais, vigilância ativa, controle de trânsito, entre outros”, disse o diretor de Defesa, Inspeção e Sanidade Animal da Adapec, João Eduardo Pinto Pires, explicando que a pesquisa é realizada a cada dois anos e segue as exigências do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Para o presidente da Adapec, Marcelo Aguiar Inocente, o resultado da pesquisa é um reflexo do trabalho realizado por toda a equipe e uma grande conquista para os produtores rurais que tem a segurança da qualidade da produção. “O Tocantins conta hoje com mais de 600 mil suídeos, que mesmo sendo criados de forma extensiva, tem um status sanitário que está preparado para viabilizar a instalação de granjas e fomentar ainda mais a economia”, ressalta. O Tocantins está livre da PSC há mais de 12 anos.

Peste Suína Clássica 

A Peste Suína Clássica (PSC), também conhecida como febre suína ou cólera dos porcos, é uma enfermidade contagiosa e muitas vezes, fatal aos suínos, causada por vírus. Os principais sintomas são: depressão e febre alta, hemorragias, regiões avermelhadas, entre outras. “Esta doença causa prejuízos econômicos por causa das restrições comerciais dos mercados internos e externos”, explica Pires.