Esporte

Foto: Divulgação

A 21ª edição do Rally dos Sertões, considerada a mais difícil de todos os tempos, completou nesta quarta-feira, 31, o sexto dia de competição, com a prova considerada mais desgastante para competidores e equipe técnica. Isso porque o roteiro definido abrangeu os municípios que compõem o Parque Estadual do Jalapão.

 Os competidores largaram, ao romper da manhã, para um trajeto iniciado em Aparecida do Rio Negro, contornando o entorno de Lizarda, São Felix, Novo Acordo, Ponte Alta, Mateiros e finalizando o Jalapão em Lagoa do Tocantins, de onde retornaram para  a base na Orla da Praia da Graciosa, em Palmas. Nesse último dia de competição no Jalapão, piloto e navegador chegaram a ficar por 12 horas dentro dos carros, em um trajeto de 495 quilômetros. Pilotos de motos e quadriciclos encararam 741 quilômetros de percurso.

 De acordo com o competidor da categoria de motocicletas, o goiano de Minaçú, Dário Júlio, o trecho proposto foi mais difícil do que se esperava. “Fiquei oito horas e dez minutos em cima da moto, só me lembro de ter passado por duas cidades, nas outras só conseguia pensar em chegar logo”, relata. O brasileiro Dário Júlio ficou em primeiro lugar nesta etapa, mas está na quarta colocação no ranking geral, que tem o português Paulo Gonçalves como primeiro colocado.

 A disputa dos carros está entre os franceses Stephane Peterhansel/ Jean-Paul Cottret e os brasileiros Guilherme Spinelli/ Youssef Haddad. Já na modalidade de quadriciclos, Robert Nahas, de São Paulo, disputa a primeira colocação contra o maranhense Marcelo Medeiros.  “Essa é a quarta edição que participo e agora estou tranqüilo por ter concluído a parte mais difícil da competição. Minha expectativa é chegar ao final do Rally, essa já será uma grande vitória, mas se conseguir alcançar o primeiro lugar será melhor ainda” declara Marcelo Medeiros.

 Na orla da Praia da Graciosa cerca de 1.200 participantes, entre competidores, equipe técnica e coordenadores, dividem espaço com centenas de pessoas que vieram de todo o Estado para prestigiar o evento. Para o locutor oficial do Rally, Marcelo Caiano, a presença do público está servindo de impulso para todos. “A maioria dos profissionais envolvidos é do interior de São Paulo, acostumados com um frio de 10 graus, enfrentar o calor de Palmas é muito difícil, mas quando vejo tantas pessoas estão nos prestigiando sinto uma força para trabalhar”, declara.

 No Tocantins, o Rally dos Sertões tem o apoio do governo do Estado, por meio da Agência de Desenvolvimento Turístico (Adtur) em parceira com a Associação Comercial e Industrial de Palmas (Acipa). (Ascom)