Polí­tica

Foto: Divulgação

Em encontro recente com o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, o deputado federal Ângelo Agnolin (PDT-TO) reiterou apoio a Medida Provisória (MP) n°. 621/2013 que institui o programa “Mais Médicos” do Governo Federal. Para o deputado, a medida enviada ao Congresso Nacional pelo Poder Executivo não resolve o problema da saúde no Brasil, mas pode amenizar o estado caótico de determinadas regiões. “É urgente que levemos mais médicos para o interior e para regiões remotas onde a saúde básica praticamente não existe”, enfatizou.

Para o deputado, não por acaso, os piores índices do IDH - que cruza renda, educação e saúde - divulgados recentemente - são registrados nas regiões Norte e Nordeste.  O programa direcionado a essas regiões, para ele, reduziria o número de mortes por doenças pertinentes à extrema pobreza. “É lá nos extremos das regiões Norte e Nordeste que não há médicos nos postos de saúde. É lá que sequer há estrutura básica de um posto de saúde para atender a população. É lá que a falta de saneamento básico leva o consumo de água suja e contaminada e onde crianças de até cinco anos são vitimas fatais de diarreia, de pneumonia, de desnutrição”, elencou.

Ainda conforme o deputado, a iniciativa do programa abre caminho para efetivas mudanças na saúde. “O programa exigirá que a saúde brasileira siga uma nova cartilha. Exigirá inclusive uma reforma do ensino superior e a retomada de uma política em saúde focada no desenvolvimento das regiões carentes”, disse.

Conforme o Ministério da Saúde, até 2014 serão realizados investimentos extraordinários nas Unidades de Pronto Atendimento e nas Unidades Básicas de Saúde; serão implantados 35 mil novos postos e investidos 7,4 bilhões no que se referem à execução de novos projetos em saúde.

Ao ministro Padilha, Agnolin se disse otimista de que o governo Dilma está dando um grande passo para ampliar a presença desses profissionais no país, e afirmou que é preciso dar oportunidade aos médicos brasileiros e gerar condições para que os profissionais estrangeiros sirvam as unidades onde há demanda. “Sem dúvida esse projeto será uma injeção de grandes investimentos e o início de uma extraordinária revolução na saúde do nosso país”, defendeu.

A MP 621/2013 institui o Programa Mais Médicos, com finalidade de formar recursos humanos na área médica para o Sistema Único de Saúde – SUS, para isso, permite a atuação no Brasil de médicos estrangeiros com habilitação para exercício de medicina no exterior.