Polí­cia

Representantes de produtores rurais da cidade de Couto Magalhães acusam a Polícia Civil de Guaraí de omissão de ação policial e beneficiamento a foragido da justiça. O episódio aconteceu na madrugada da sexta-feira, 16, quando André Luíz  Carneiro  conhecido por Mineiro foi preso pela Polícia Militar e encaminhado a Delegacia de Polícia Civil de Guaraí quando, segundo os produtores, ele foi liberado por telefone pelo delegado Rodrigo Santilli que no momento não estaria no plantão.

André Luiz, que na verdade se chamaria Ivaildo Bernardo, é acusado de tentativa de assassinato contra alguns produtores de Couto Magalhães. Ele intermediou a venda de frutos de  abacaxi  para várias famílias de agricultores familiares e segundo os produtores não pagou a ninguém, o que somou um prejuízo estimado de pelo menos R$ 130 mil reais. Dentre os lesados pelo indivíduo, encontram-se pelo menos 6 famílias de assentados do projeto de Assentamento Monte das Oliveiras, dentre outros.

Lesados pelo acusado, alguns produtores pesquisaram sobre a vida dele. “Pedimos ajuda para que a polícia investigasse  a origem do mesmo, e para isso passamos as informações que tínhamos do tal André Luiz Carneiro. Após averiguações e contatos junto à polícia do Estado de Goiás, constatou-se que na verdade o mesmo estava utilizando de documentação pessoal CPF, RG e este nome (falso) e que seu verdadeiro nome é Ivaildo Bernardo, condenado por roubo e foragido do Estado de Goiás”, relatou o líder dos produtores.

Na versão dos produtores, ao ser detido pela PM o acusado dirigia uma S10 preta suspeita de roubo e além disso estava sem Carteira de Habilitação e ainda assim o carro também foi liberado. “O que tudo isso revela é que a polícia está despreparada para atuar e liberou um foragido da justiça com mandado de prisão em aberto”, alega um dos produtores.

Conforme consta no Banco Nacional de Mandados de prisão (veja em anexo abaixo) o acusado tem um mandado expedido ano passado até 2021 por roubo na cidade de Goianésia-GO. O mandado foi expedido pelo Tribunal de Justiça de Goiás.

As cobranças por parte dos produtores aumentaram e daí o acusado começou a fazer várias ameaças e  inclusive tentativas de assassinatos contra alguns produtores. Um proprietário de um grande supermercado da cidade chegou a registrar queixa e formalizar denúncia alegando tentativa de assassinato.

Os produtores alegam que estão com medo do acusado e questionam o fato da polícia não cumprir o mandado de prisão. “A PM apesar de se encontrar neste momento com uma terceira identidade do mesmo e de tê-la apresentado juntamente com os demais documentos à equipe da Polícia Civil que sequer os estudou detalhadamente, viu o condenado e foragido ser liberado recebendo inclusive em mãos os documentos  falsos que portava”, questionam.

Para os produtores,  os cidadãos  estão amedrontados enquanto o acusado está pelas ruas da cidade espalhando ameaças e medo. “Parece-nos que estamos em uma terra sem justiça”, afirmam.

Sem provas

Procurado pelo Conexão Tocantins o delegado Rodrigo Santilli argumentou que não podia prender o acusado porque o fórum só abre nesta segunda-feira e ele não foi apresentado com nenhum Mandado de Prisão. “Ele está sendo investigado e os documentos estão recolhidos. Precisamos saber se o mandado de prisão ainda está em aberto porque se prendêssemos ele sem essa certeza poderia configurar abuso de autoridade”, explicou.

O delegado negou que o acusado está foragido e informou que ele está sendo monitorado pela polícia até que seja apurada a real situação. Mas segundo os produtores ele foi visto na cidade até este domingo, 18, quando teria voltado a ameaçar alguns produtores.

A Delegacia Regional de Guaraí ainda  investiga o caso enquanto o acusado está solto.

Por: Redação

Tags: Guaraí, Polícia Civil, Rodrigo Santilli