Educação

Foto: Divulgação

Os Krahô-Kanela do Tocantins carregam na memória a luta de seu povo por espaço territorial e por reconhecimento na cultura indígena. Esta história ganhou um novo capítulo nesta sexta-feira, 23, quando o Governo do Estado entregou a essa comunidade a Escola Estadual Indígena Wyapri, a primeira construída na comunidade. Representando o governador do Estado, Siqueira Campos, o vice-governador João Oliveira esteve na Aldeia Lankraré, em Lagoa da Confusão, a 220 Km de Palmas, para a inauguração da escola.

 Cerca de 30 crianças, adolescentes e jovens vão estudar na escola que oferta ensino fundamental e médio. O investimento é de R$ 184,7 mil em uma obra que vai mudar a realidade da comunidade, já que as aulas eram em uma área pequena e sem paredes, apenas cercada por tela. Já a nova escola tem 216,25m2 e conta com duas salas de aula, cozinha, sala do setor administrativo e banheiros masculino e feminino. 

 João Oliveira destacou a importância da educação para a formação de cidadãos e informou que apenas em Lagoa da Confusão os investimentos do governo do Estado nessa área ultrapassam R$ 2,4 milhões. “Esses recursos foram aplicados em obras que já estão finalizadas, obras em andamento, compra de mobiliário para escolas e ônibus escolares”, disse ele.

 A escola de tempo integral da Aldeia Lankraré é a 19ª entregue por a gestão atual em comunidades indígenas, conforme o secretário de Estado da Educação, Danilo de Melo. Até o fim deste ano esse número deve chegar a 23 escolas. “O governo do Estado tem um olhar especial para os cerca de cinco mil estudantes indígenas no Tocantins.”, disse o secretário. 

A comunidade

Amaré Gonçalves Krahô-Kanela tem 26 anos e na inauguração da escola representou o cacique Mariano Atiokã Ribeiro Krahô-Kanela. O jovem disse que a nova escola  “é sinônimo de desenvolvimento”.

A manifestação de Amaré remete à história da comunidade. Ele conta que na década de 70 os Krahô-Kanela tiveram que deixar a região de Lagoa da Confusão por causa de um conflito e desde então teve início uma luta territorial. O grupo que se formou com a união de membros de duas etnias, a Krahô e a Kanela, retornou em 2006 para a área original na Ilha do Formoso, a cerca de 55 Km da cidade de Lagoa da Confusão, área próxima à Ilha do Bananal. O retorno trouxe um novo contexto cultural e antropológico, devido a algumas miscigenações entre os índios e não índios. 

De volta à área indígena em Lagoa da Confusão, a comunidade recebeu em 2007 a escola estadual, que funcionava improvisadamente. A nova escola, inaugurada nesta sexta-feira, é totalmente diferente, porque tem ambientes e espaços físicos adequados. “Essa nova escola é um símbolo de melhoria de vida dentro da Aldeia Lankraré”, disse Amaré. A comunidade krahô-Kanela na Aldeia tem 112 pessoas.



Incentivos

A inauguração na nova escola contou com a presença dos prefeitos Lino de Sousa Neto (Lagoa da Confusão), Pe. Florisvane (Divinópolis), Enoque Portilio Cardoso (Nova Rosalândia) e Claudoir Bento de Oliveira (Marianópolis), além de secretários municipais e vereadores. Na mesma solenidade, foram entregues 212 tablets à Regional de Ensino de Paraíso. Os equipamentos são destinados a professores e fazem parte das ações do Programa Nacional de Formação Continuada em Tecnologia Educacional (Proinfo Integrado).

A solenidade na Aldeia Lankraré teve início com apresentação teatral de crianças que estudarão na nova escola e terminou com dança dos adultos Krahô-Kanela como forma de agradecimento pelo investimento do governo do Estado na comunidade. “Eu penso que vai ser um novo horizonte para os estudantes”, disse a professora Ivonete Gonçalves Ribeiro Gomes Krahô-Kanela.

Já a estudante Patrícia Rarumã Ribeiro Gonçalves Krahô-Kanela, de 7 anos, resumiu o sentimento dos demais estudantes ao falar sobre a nova instituição de ensino: “Agora estou feliz nessa escola”.