Bastidores

Foto: Divulgação

O Partido da Solidariedade pode nascer forte no Tocantins se as articulações que estão em curso forem concretizadas. O deputado federal licenciado e atual secretário de Esportes, Eduardo Gomes é um dos principais articuladores para a ida de alguns políticos do Estado para a legenda.

Os organizadores do Solidariedade, partido cuja principal liderança é o deputado federal Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), o Paulinho da Força, esperam para esta semana que o pedido de registro da nova legenda seja concedido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE)

Segundo confirmou o presidente da Assembleia Legislativa, Sandoval Cardoso ele, além dos deputados Solange Duailibe (PT) e Raimundo Palito (PEN) analisam a possibilidade de ir para o partido até o dia 5 de outubro quando termina o prazo de filiação para os que pretendem disputar cargo eletivo no próximo ano. “ Todos estão pensando sobre o assunto”, diz Sandoval. O deputado Wanderlei Barbosa (PEN) também estaria analisando mas semana passada ele admitiu ao Conexão Tocantins a possibilidade de ir para o PCdoB.

Além de Sandoval e os demais deputados estaduais o senador Vicentinho Alves é outro nome que segundo contam aliados deve ir para o PS. O senador permanece silencioso desde que o PR Nacional ingressou com uma ação no TSE por desfiliação partidária mas vem se movimentando para definir seu rumo partidário.

PSD ou PMDB

Em conversa com o Conexão Tocantins Sandoval Cardoso frisou que mesmo pensando em ir para o PS sua vontade é ficar no PSD. “ Essa decisão depende do que a senadora Katia vai fazer, até agora ela não chamou para conversar sobre a posição do partido para o ano que vem”, disse reafirmando que quer estar em um partido da base do governo.Sandoval é um dos principais aliados do atual governador e já disse que quer continuar junto com o grupo para o pleito do próximo ano.

  Diante da indecisão da senadora, que cogita se filiar ao PMDB, Sandoval conta que aguarda a definição e que além do Partido da Solidariedade não descarta inclusive voltar aos quadros do PMDB onde foi eleito em 2010 visando garantir seus planos políticos.