Polí­tica

O deputado José Roberto (PT), líder do partido na Assembelia, subiu à tribuna na sessão desta quinta-feira, dia 19, para elogiar a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que validou o recurso dos embargos infringentes, após voto do ministro Celso de Mello na tarde dessa quarta-feira, dia 18. Dessa forma, 12 dos 25 réus do Mensalão condenados por lavagem de dinheiro e formação de quadrilha podem solicitar novo julgamento, nos casos em que foram obtidos até quatro votos pela absolvição.

Zé Roberto contestou os votos dos ministros contrários ao uso dos embargos infringentes. Segundo ele, os juízes preferiram seguir a “pressão da imprensa e dos poderosos”, em detrimento dos princípios jurídicos vigentes. Contudo, de acordo com o parlamentar, as teses contrárias foram derrubadas pelas fundamentações do ministro Celso de Mello ao proferir seu voto.

 Para Roberto, nada consta nos autos do Mensalão que prove o uso de dinheiro público e a compra de votos para aprovação de projetos no Congresso Nacional, motivo pelo qual vários ministros condenaram os réus. “O Mensalão tem a ver somente com a eleição de 2004, não com compra de votos, tampouco envolveu recursos públicos, justificativa indevidamente utilizada para penalizar os denunciados”, disse.

 Na versão do parlamentar, foi adotada a conhecida máxima “uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade”, atribuída ao ministro da propaganda nazista Joseph Goebbels. Apesar de concordar com o resultado no STF, o deputado José Bonifácio (PR) chegou a contestar a afirmação do colega de que não existiu uso de dinheiro público no esquema de compra de votos para aprovar projetos do governo Lula. (Dicom/AL) 

Por: Redação

Tags: José Bonifácio, José Roberto Forzani