Meio Ambiente

Foto: Adriana Borges

Ao sobrevoar parte do Rio Araguaia na divisa do Tocantins com o estado do Mato Grosso, neste último domingo,  22, o governador Siqueira Campos lamentou o que viu. “É com muita tristeza. Denunciei isto há 30 anos quando era deputado e a cada ano vejo que fica pior e nada é feito. Com esse assoreamento, o Araguaia vai morrer, vamos perder essa riqueza natural”, declarou.

Siqueira Campos voltou a dizer que espera do governo federal auxílio na realização de estudos e implementação de ações para salvar o rio. “Não podemos deixar que isso ocorra. Vimos enormes bancos de areia. Não vai demorar muito e o Araguaia vai perder o seu leito”, lastimou Siqueira, após retornar da aldeia indígena Santa Isabel do Morro, na Ilha do Bananal, onde foi discutir com a comunidade local as obras da travessia da ilha, que deve ligar o território tocantinense com o estado do Mato Grosso.

Siqueira falou, com preocupação, sobre a situação do rio Javaé, também localizado na região. “O [rio] Javaé já tem mais de 20 km de leito entupidos. São necessários retirar 30 mil caminhões de areia do rio para desentupir”, pontuou.

Para Siqueira Campos, a preservação de matas ciliares e construção de barragens são fundamentais para manter o rio vivo. “É urgente a necessidade de estudos serem feitos, de ações serem desenvolvidas para evitar a perda do Araguaia. Com as barragens de Santa Isabel, Pau D’Arco e Couto Magalhães, aliadas a um trabalho firme de recuperação das matas, conseguiríamos recuperá-lo. Mas as providências devem ser tomadas o mais rápido possível”, finalizou.