Saúde

Foto: Divulgação

O Comitê de Mobilização Social e Combate à Dengue de Palmas realizou sua sétima reunião do ano, nesta terça-feira, 12, no auditório da Secretaria Municipal de Saúde, para avaliação das ações que vêm sendo realizadas na capital e definição de novas estratégias no enfrentamento da doença. Deverá ser encaminhada ao prefeito Carlos Amastha a proposta de criação de um sistema integrado de gestão de endemias no município.

A reunião contou com as presenças de representantes da Terra Clean, empresa responsável pela limpeza urbana em Palmas, e do Ministério Público. O Comitê é formado por representantes de secretarias e órgãos municipais e da sociedade civil organizada.

A quantidade de casos notificados de dengue este ano caiu cerca de 15% em relação ao mesmo período do ano passado, mas o diretor de Vigilância em Saúde da Semus, Whisllay Maciel Bastos, alerta que não se pode dar trégua no combate ao mosquito transmissor. Ele explica que a estratégia de enfrentamento da dengue no âmbito do serviço público se multiplica em diversas frentes de atuação, entre as quais, a busca ativa de casos, o acompanhamento dos casos notificados, o monitoramento de dados e o atendimento nas unidades básicas de saúde. Mas a principal ação, segundo o diretor, deve ocorrer no plano preventivo, combatendo os focos do mosquito. “A remoção de criadouros é fator determinante para que possamos evitar o aumento da dengue”, observa.

Número de notificações

Durante a reunião do Comitê, a responsável pela Área Técnica da Dengue na Secretaria Municipal de Saúde, Nábia Gomes, apresentou números atualizados na capital, que responde por 39% dos casos de dengue ocorridos no Tocantins. Desde 1º de janeiro até 11 de novembro de 2013, foram notificados em Palmas 7.759 casos de dengue, dos quais 4.263 foram descartados. Entre aproximadamente 3.000 casos confirmados, foram registrados dois óbitos. A quantidade de notificações é cerca de 15% menor do que aquela verificada no mesmo período de 2012.

Para manter a tendência de redução dos casos de dengue na capital, a gestão municipal está intensificando ações de identificação e destruição de criadouros do mosquito transmissor por toda a cidade, com ênfase na região Sul, onde concentra-se a maioria das ocorrências. Uma força-tarefa, formada pelas secretarias de Infraestrutura, Saúde, Meio Ambiente e Governo, e que envolve também a Terra Clean, empresa responsável pela limpeza pública, vem realizando mutirões de limpeza em todas as regiões da cidade, fazendo coleta de galhadas, palitação e varrição das ruas e logradouros públicos.

Numa outra frente de ação, são inspecionados residências, estabelecimentos comerciais, terrenos e logradouros públicos em geral, numa ação articulada que também tem por objetivo eliminar focos e promover a limpeza dos locais, a fim de que não haja um ambiente propício à proliferação. Uma atenção especial está sendo direcionada às borracharias, que serão notificadas para que passem a depositar pneus velhos no novo Ecoponto instalado num galpão situado na Quadra 1.012 Sul, Av. NS 10 – ao lado da Ipasa. Quem não cumprir a exigência poderá ser multado. 

Secretário de Saúde

“A manutenção da limpeza da cidade é fator determinante para a redução do risco de endemias”, explica o secretário municipal de Saúde de Palmas, Nicolau Esteves, observando que, com a eliminação de ambientes propícios à proliferação do mosquito transmissor da dengue, as ocorrências vão diminuir consideravelmente. O secretário destaca a importância do comprometimento da comunidade no enfrentamento da dengue: “As pessoas devem tomar os cuidados básicos dentro de suas próprias casas, mantendo seus quintais sempre limpos e cuidando para que não haja locais com água parada”, afirma ele, recomendando inclusive às famílias que não dificultem o acesso dos agentes de saúde em suas residências. Nicolau Esteves enfatiza também que “a dengue tem que ser prevenida agora, e não somente nos meses de janeiro a maio, quando a concentração de casos é mais intensa”.

Trabalhando há mais de duas décadas na saúde pública, o agente de zoonoses José Benedito Alves de Oliveira ressalta que a chegada do período chuvoso faz aumentar a quantidade de focos e a proliferação do mosquito transmissor. “Nesta época das chuvas, temos que combater, principalmente, o acúmulo de lixo nas ruas e lotes vagos”, diz ele.

Quadros mais graves

Para melhorar o atendimento ao paciente com dengue na rede municipal de Saúde, a Área Técnica da Dengue está visitando todas as Unidades de Saúde da Família, revisando e prestando esclarecimento sobre o fluxo e protocolo de atendimento aos pacientes com dengue. “Queremos garantir atendimento ágil ao paciente e a notificação do caso”, observa a técnica Nábia Gomes, enfatizando que a rapidez na identificação da doença evita a evolução para quadros mais graves.