Campo

Foto: Joatan Silva

Para discutir o aproveitamento sustentável da casca do arroz, uma reunião foi realizada na manhã desta quinta-feira, 12, na Secretaria da Agricultura e Pecuária (Seagro), em Palmas. O assunto foi debatido pelo secretário executivo, Ruiter Pádua, pelo consultor da Path, Sergio Segall, e por representantes da indústria do arroz.  

O consultor da Path, lembrou a importância da medida para o meio ambiente. “Com a utilização da casca do arroz para gerar energia, estaremos resolvendo também um problema ambiental”, destacou Sergio Segall.

Durante o encontro, eles discutiram ainda a capacitação aos produtores de arroz, que será feita por técnicos da Universidade Federal de Viçosa (MG). Os produtores irão contribuir na produção do arroz fortificado, que será incluído na merenda escolar.  O grão fortificado, criado a partir da quirera do arroz processado e após a adição de nutrientes, como ferro, zinco e vitaminas do complexo B, é incorporado ao produto tradicional na proporção de 2 a 5%.

Algodão

Ainda durante a manhã, Padua, recebeu em seu gabinete o secretário de Representação do Estado em Brasília, Francisco de Assis, para tratar sobre a liberação do plantio de algodão transgênico no Estado conforme ficou definido após parecer da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio), na última semana.

A expectativa da Seagro é que a portaria do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa), com a publicação da liberação e do zoneamento da cultura no Estado, seja publicada ainda neste ano. “Vamos enviar ofício ao ministro para pedirmos esta publicação o quanto antes”, destacou Padua. Com a liberação do algodão transgênico é esperado que a produção do grão no Estado seja bastante fortalecida, passando de cinco mil hectares cultivados para 40 mil hectares na próxima safra. (Ascom/Seagro)