Polí­tica

Foto: Divulgação

Depois de uma semana em que o PP/TO esteve no foco nas movimentações políticas em razão da divisão interna na legenda entre o atual comando e o grupo do prefeito de Palmas, Carlos Amastha, o presidente regional, deputado federal Lázaro Botelho abriu o jogo em entrevista ao Conexão Tocantins. O presidente frisou que não tem nenhum tipo de problema com o prefeito Carlos Amastha, mas que o mal estar seria por que o prefeito não estaria defendendo o nome do pré-candidato da legenda, Roberto Magno Martins Pires.

“Não acredito que o PP tem problema. Acho que todos da direção nacional e o ministro sabem que o candidato a governador é o Roberto Magno Martins Pires, mas o Amastha em todas as oportunidades não defende isso. Só ele não não entende isso. Não sei porque ele não sabe que o candidato é o Roberto”, explicou. O deputado contou que ele e Pires serão os responsáveis pelas conversas com os partidos para viabilizar novas alianças, conforme avalizou a nacional da legenda em encontro essa semana.

O presidente do PP disse ainda que os problemas pessoais do prefeito com a senadora Katia Abreu (PMDB) não podem pesar na hora de discutir uma aliança com a legenda já que a nível nacional as siglas são aliadas da base da presidente Dilma Rousseff. “Nem nós, nem o PT tem nenhuma restrição com o PMDB que é um partido da base da presidente Dilma. O Amastha tem problemas pessoas com a Katia, mas a pessoa não pode misturar problema pessoal com o político. As alianças tem que estar acima das picuinhas particulares”, frisou. O prefeito Amastha já declarou que se o PP coligar com o PMDB vai respeitar a posição do partido mas não participará do processo eleitoral.

Botelho disse desejar que Amastha participe ativamente junto com o partido do projeto eleitoral.

Reunião

Como o Conexão Tocantins anunciou em primeira mão, o grupo da terceira via se reuniu com Amastha na noite desta quarta-feira, 6, e decidiu convocar reunião entre os partidos para  a próxima semana com o intuito de aparar as arestas e afinar o discurso. Botelho frisou que não recebeu ainda o convite para a reunião mas que se for compatível com sua agenda vai participar. “É claro que se puder vou participar. Os partidos que compõem a terceira via são nossos companheiros”, disse.