Saúde

Foto: Marcio Vieira

Campanha de vacinação contra o câncer de colo de útero irá imunizar 43,6 mil meninas tocantinenses, de 11 a 13 anos, contra o Papiloma Vírus Humanas (HPV). A meta do Estado é imunizar 80% do público-alvo. As 91 mil doses da vacina destinadas ao Tocantins já estão em Palmas e devem agora ser repassadas aos municípios tocantinenses. A vacina contra o HPV passa a integrar o calendário de vacinação a partir de 10 de março.

De acordo com a coordenadora estadual de Imunização, Marlene Alves, a vacinação irá ser feita nas escolas públicas e privadas, como também estarão disponíveis nos postos de saúde. “O ciclo de vacinação está dividido em três etapas, sendo que neste primeiro momento a primeira dose acontecerá em março nas escolas e também nas unidades de saúde, a segunda dose será feita seis meses depois e a terceira dose será aplicada depois de cinco anos, contados da primeira dose”, relatou. Para completar o ciclo de vacinação, cada adolescente deverá tomar três doses.

Neste ano, será vacinado o primeiro grupo (11 a 13 anos).  Em 2015, a vacina passa a ser oferecida para as adolescentes a partir de 9 anos. Para receber a dose, basta apresentar o cartão de vacinação ou documento de identificação.

Segundo o Ministério da Saúde a vacina contra HPV tem eficácia comprovada para proteger mulheres que ainda não iniciaram a vida sexual e, por isso, não tiveram nenhum contato com o vírus. Hoje, é utilizada como estratégia de saúde pública em 51 países, por meio de programas nacionais de imunização.

HPV

O HPV, nome genérico de um grupo de vírus que engloba mais de cem tipos diferentes, pode provocar a formação de verrugas na pele e nas regiões oral (lábios, boca, cordas vocais, etc.), anal, genital e da uretra. As lesões genitais podem ser de alto risco, porque são precursoras de tumores malignos, especialmente do câncer do colo do útero e do pênis, e de baixo risco (não relacionadas ao aparecimento de câncer). A transmissão se dá predominantemente por via sexual, mas existe a possibilidade de transmissão vertical (mãe/feto), de auto-inoculação e de inoculação através de objetos que alberguem o HPV. (ATN)

Por: Redação

Tags: HPV, Marlene Alves, Ministério da Saúde