Estado

Foto: Divulgação

O diretor geral do Detran, Coronel Mamede deve ir à Assembleia Legislativa do Tocantins dia 26 prestar esclarecimentos sobre a concessão da empresa Freeway, responsável pela remoção e  guarda de veículos apreendidos em razão de infrações de trânsito. O pedido da presença de Mamede foi feito e aprovado ainda ano passado mas ele ainda não compareceu. A concessão da empresa é para 10 anos.

Vários deputados estaduais questionam a atuação e contratação da Freeway e o assunto também repercutiu nesta quarta-feira, 19, quando o governista Stalin Bucar (SDD) foi na tribuna informar que o contrato de concessão deve ser cancelado até o mês de abril. “Estive com o Coronel Mamede e ele afirmou que esse contrato vai ser cancelado entre os meses de março e abril”, informou.

O contrato foi assinado no dia 18 de junho de 2010 na gestão do ex-governador Carlos Gaguim. “Essa Freeway é um câncer precisa ser estipado do Estado. Infelizmente esse câncer que foi designado não foi pelo atual governador foi pelo nosso governador da época Gaguim que eu fiz parte que eu votei para eleger aqui numa eleição indireta. Foi ele quem criou essa doença perversa para o Estado do Tocantins”, criticou Bucar que mencionou ainda que a empresa deve tentar reverter o cancelamento na justiça. “Será se essa empresa não vai tentar entrar com medidas judiciais pra manter a concessão de 10 anos ou vai entregar de graça?”, indagou.

Um dos parlamentares que mais critica o contrato da Freeway bem como o não comparecimento de Mamede para dar esclarecimentos, Sargento Aragão (Pros) frisou que na sua opinião o Diretor do Detran está mal intencionado com relação ao assunto e citou inclusive parecer do TCE que afirma que o contrato seria ilegal.

Em setembro do ano passado o Pleno do Tribunal de Contas do Tocantins decidiu pela ilegalidade e consequentemente determinou Detran que rescinda o Contrato nº 54/2010, com a  empresa num prazo de 180 dias.