Polí­cia

Foto: Divulgação Gayer demonstrou tranquilidade e após a leitura da sentença chegou a digitar algumas mensagens no celular Gayer demonstrou tranquilidade e após a leitura da sentença chegou a digitar algumas mensagens no celular
  • Tribunal de Júri

Logo após a abertura da 1ª Semana Nacional do Tribunal de Júri, foi dado início ao julgamento de Frederico Gayer Machado de Araújo, esposo da deputada estadual Luana Ribeiro (PR) nesta segunda-feira, 17, no 1º Tribunal do Juri de Goiás. Ele foi acusado de matar Herbert Resende, na madrugada de 5 de abril 1997, por motivo fútil na porta da boate Draft, no Setor Oeste, em Goiânia.

Consta nos autos do inquérito que, no dia do fato, o responsável pelo caixa da boate trocou, por engano, as fichas de consumo de Frederico e de Hebert, mas o mal entendido foi sanado rapidamente pela boate, sem ter havido qualquer discussão entre os dois. Apesar disso, momentos depois, Frederico foi até seu carro, buscou a arma e esperou Hebert do lado de fora da boate por aproximadamente dez minutos. Ao avistá-lo, trocou algumas palavras com ele e o empurrou, acertando-o com um tiro em seguida.

A sentença 

O Tribunal do Juri foi presidido pelo Dr. Jesseir Coelho de Alcântara e após o pedido por parte do Ministério Público da condenação de Gayer pelo crime por motivo fútil, a defesa do réu sustentou a tese de legítima defesa e pediu a qualificadora para homicídio simples, fato que foi rejeitado pelos jurados. Também foi rejeitada a tese de homicídio privilegiado colocada pela defesa do réu.

Após os embates da defesa e acusação o conselho do corpo de jurados decidiu pela condenação do réu a 12 anos e 6 meses nos termos das sanções previstas no artigo 121 do Código Penal. Gayer deverá cumprir a pena em regime fechado na Penitenciária Cel. Odenir Guimarães, também conhecida como Centro Penitenciário de Atividades Industriais do Estado de Goiás (CEPAIGO). 

A vítima deixou quatro filhos órfãos há dezessete anos. (Matéria atualizada às 20h 04 min)