Polí­tica

No grupo da oposição a renúncia já confirmada do vice-governador João Oliveira (DEM) e a do governador Siqueira Campos que de ser oficializada na tarde desta sexta-feira, 4, se o gestor não mudar de intenção, é vista como uma estratégia perigosa. Um dos pré-candidatos do grupo, ex-prefeito de Porto Nacional, Paulo Mourão do PT analisou que se a renúncia for dos dois configura descaso, falta de compromisso e desrespeito com o povo.

“Um Estado que está com a Educação em greve, com a capacidade de investimentos comprometida, falta de remédio nas unidades de saúde, uma situação fiscal complicada e nesse momento o governador planeja esse jogo político para entregar o governo ao filho”, frisou. Para Mourão a renúncia dupla, caso se confirme a do governador, é um golpe de Estado contra o povo. “ Temos que fazer um pacto contra esse absurdo. Será que a sociedade ainda vai dar benefício a alguém que se aproveitou 25 anos desse Estado e deixou o Tocantins numa situação de falência?”, questionou.

O pré-candidato do PMDB, Marcelo Miranda também condenou tal estratégia do governo que tem sendo cogitada.  “Qualquer cidadão tem o direto a tomar decisões pessoais mas na coisa pública o que deve ser levado em consideração é a responsabilidade sobre a população que é a maior interessada”, disse.

Marcelo questionou ainda qual a motivação para a denúncia do vice. “O que tem por trás disso? Porque o vice renunciou primeiro que o governador? A população os elegeu para governar o Estado e não para um grupo”, frisou.

Para Miranda o governo mostra claramente que não tem nenhum compromisso com o povo do Estado que o elegeu. “Cadê o compromisso com Estado de direito que foi firmado no dia 1º de janeiro de 2011? É um total desrespeito ao povo tocantinense e mostra claramente que eles não tem compromisso com o povo “, avaliou.

Pela manobra do governo, o ex-senador Eduardo Siqueira Campos deve ser o candidato mas há outras possibilidades. O presidente da Assembleia Legislativa, Sandoval Cardoso deve assumir o Governo.

Oposição

Enquanto o governo define a estratégia para abrir ainda mais o leque de possibilidades para definição do candidato os nomes da oposição estão visitando municípios já de olho nas eleições. O senador Ataídes Oliveira, pré-candidato do Pros e o deputado estadual Marcelo Lelis, também pré-candidato, estão em agenda no interior. Do PP, Roberto Pires já faz uma série de movimentações em prol de seu nome para o Governo.

A disputa esse ano promete ser polarizada e o grupo deve lançar mais de um candidato.