Cultura

Foto: Divulgação Júnior Batista é um dos escritores tocantinenses com obras na biblioteca de autores regionais Júnior Batista é um dos escritores tocantinenses com obras na biblioteca de autores regionais

Acervo de escritores do Estado pode ser conferido nas seis bibliotecas do autor tocantinense instaladas em museus públicos pelo Tocantins. As obras vão desde livros de história, a contos, poesias, obras voltadas a questões ambientais e geografia. Dentre os escritores presentes nas bibliotecas do Estado estão Dorival Santiago, Junior Batista, Fidêncio Bogo, Osmar Casagrande, Célio Pedreira, Genival Nicolau, Gilson Cavalcante, Otávio Barros, Odir Rocha, Danilo de Melo, Tião Pinheiro e Juarez Moreira.

De acordo a assessora da Diretoria de Arte e Cultura da Secretaria de Estado da Educação e Cultura (Seduc), Heloisa Rehder Coelho Sobreira, a Biblioteca do Autor Tocantinense foi instalada em museus nos municípios de Palmas, Paraíso do Tocantins, Natividade, Paranã e Arraias. Em Gurupi, funciona na Biblioteca Pública Municipal.“A ação visa valorizar, difundir e fazer circular a literatura tocantinense”, ressaltou.

A estudante da Universidade Federal do Tocantins (UFT), Ana Carolina Rosa, é uma das frequentadoras do local. Para ela, encontrar uma biblioteca só com livros de autores tocantinense foi extremamente importante para escrever o trabalho de conclusão de curso, que tem por título “Significação de Palmas na Literatura”. “Optei pelo livros e não por jornais porque mostra a visão da construção de Palmas tanto por moradores quanto imigrantes”, pontuou a estudante.

Palmas

Na capital, a Biblioteca do Autor Tocantinense fica no Museu Histórico do Tocantins – Palacinho, e está aberta à visitação de terça a domingo, das 8h  às 17h.  No acervo, constam 700 livros de autores tocantineses, além periódicos, livros de literatura infantil e fotografias.

Para o escritor Júnior Batista Nascimento, quem tem  três obras no acerto bibliográfico, os espaços culturais são instrumentos para a democratização do acesso às obras e é uma maneira de socializar o trabalho com turistas e estudantes.

“O espaço tem todos os ingredientes para se tornar o centro cultural de Palmas, e realizar lançamento de livros”, destacou Junior Batista sobre a biblioteca do Museu Palacinho.