Esporte

Foto: Márcio Vieira  Sandoval Cardoso recebeu as duas atletas tocantinenses medalhistas no campeonato mundial de Caratê Sandoval Cardoso recebeu as duas atletas tocantinenses medalhistas no campeonato mundial de Caratê
  • Ana Julya, de 9 anos, conquistou duas medalhas de ouro e Giovanna, 14 anos, ganhou uma de prata e uma de bronze
  • Durante a visita,  o governador disse que Ana Julya e Giovanna são exemplos de perseverança e dedicação

O governador Sandoval Cardoso recebeu na tarde desta última terça-feira, 29, as duas atletas tocantinenses medalhistas no campeonato mundial de Caratê realizado em Las Vegas / EUA. A competição foi realizada entre os dias 12 e 22 deste mês, quando Ana Julya Leite, de 9 anos, conquistou duas medalhas de ouro, enquanto Giovanna Faria de Brito, 14 anos, ganhou uma de prata e uma de bronze, ambas nas categorias combate e kata. Com uma agenda cheia, as duas atletas seguem, ainda nesta semana, para Marabá, no Pará, para o campeonato Zonal Norte, que dá acesso a competições nacionais e internacionais.

Para o governador, Ana Julya e Giovanna são dois exemplos a serem seguidos de perseverança e dedicação ao esporte. “É uma honra termos duas atletas tão dedicadas. O esporte é caminho para tantas coisas boas, de purificação do corpo e da alma, além de ser a ferramenta para uma sociedade melhor”, completou.

Com duas medalhas de ouro e muito orgulho na bagagem, a pequena Ana Julya era a caçula na delegação brasileira - composta por 12 atletas - para a competição. Mesmo com o tamanho pequeno e pouco peso, ela disse que não se intimidou com as adversárias. “Este foi o meu primeiro mundial e foi muito legal ir lá e ganhar essas medalhas. Eu sempre vim treinando e trabalhando o psicológico, então, nem fiquei nervosa na hora das lutas”, destacou.

Um pouco mais velha, Giovanna conquistou uma medalha de prata e uma de bronze no mundial e o caminho trilhado até esta importante conquista foi difícil. Há dois anos, ela foi diagnosticada com uma má formação na coluna e alguns médicos a sentenciaram com o precoce fim da carreira. “Mas procuramos outros médicos e descobrimos um tratamento, em Goiânia, e iniciamos a fisioterapia e eu consegui me recuperar e ganhar essas medalhas”, comemorou.

Pais

Para os pais, as conquistas das filhas vão muito além das medalhas no peito e o reconhecimento internacional. O exemplo dado pelas duas campeãs, segundo Nivaldo Ferreira Leite, pai de Ana Julya, contagia outras crianças e as incentiva a iniciarem o caminho na prática esportiva. “É satisfatório pelo fato dessas conquistas não abrangerem somente a nossa família. Na escola, pelo desempenho dela na competição, ela chama a atenção das outras crianças e leva mais pessoas interessadas em participar. Isso é uma grande conquista”, disse.

Já Jordana Faria de Brito, mãe de Giovanna, destacou a importância da prática esportiva como saída para muitos jovens que acabam por não ter oportunidades. Segundo a funcionária pública, o esporte é uma importante ferramenta de inclusão social para todas as crianças. “Quando você coloca uma criança no esporte, você impede que ela acabe indo para um caminho errado. É mais fácil impedirmos as crianças de irem por um caminho errado, do que retirá-las depois”, frisou. (ATN)