Polí­tica

Foto: Divulgação

Com a possível ida do PP, PRB e PDT para o grupo do governo estadual o grupo da oposição vai diminuindo e os partidos tentam reagir se reunindo e tentando uma composição. Na oposição há pelo menos duas alas que pretendem de fato lançar candidatos: O PMDB que tem o nome do ex-governador Marcelo Miranda como pré-candidato e os outros partidos como o Pros, do senador Ataídes Oliveira, o PV de Marcelo Lelis. Paralelo a esses partidos há ainda um grupo de legendas emergentes que tentam se fortalecer para conseguir eleger candidatos nas proporcionais.

Com a reviravolta no cenário e o fim da terceira via na noite desta quarta-feira, 21, doze partidos reuniram-se e definiram formar uma nova força de oposição. Participaram do encontro representantes do PTC, PSC, PHS, PTN, PRTB, PSDC, PSOL, PROS, PT, PV, PTdoB e PPL. O grupo tem quatro pré-candidatos: professor Adail do PSDC, Ataídes do Pros, Lelis do PV e Paulo Mourão do PT. No encontro esteve ainda o presidente do PT, Julio Cesar Brasil.

“Estamos formando uma terceira força. Vamos nos reunir na próxima semana para definir qual o critério da escolha do nosso candidato”, explicou um dos articuladores da reunião, o presidente estadual do PTdoB, Junior Luiz. Na próxima reunião o procurador federal Mário Lúcio Avelar deve estar presente.

O PMDB não foi chamado para a reunião mas segundo informaram membros do grupo o partido precisa primeiro se organizar para depois participar das conversações. O fato da legenda já ter nome para o Governo e também para o Senado sendo apenas  a vaga de vice em aberto também dificulta as conversas, na opinião de alguns partidos. 

Miranda não vê enfraquecimento

Com uma candidatura à reeleição dada como certa, Sandoval Cardoso (SD), mesmo com o vínculo com o governo anterior, tem se reunido e buscado ampliar sua base mas para alguns líderes da oposição tal movimentação não causa impacto no grupo. “Não vejo nenhum enfraquecimento da oposição. Estamos firme e fortes no projeto alternativo que o povo espera”, avaliou Marcelo Miranda do PMDB em entrevista ao Conexão Tocantins.

Miranda tem assumido o papel de interlocutor do partido com outras legendas e já recebeu até ligação de lideranças nacionais do PT tentando viabilizar uma aliança.  Ele contou que não foi chamado para a reunião de ontem com os outros partidos da oposição ao governo. “Estamos ouvindo os partidos e líderes e na trincheira da oposição não mudamos nada”, garantiu Marcelo, ao explicar que as articulações estão a pleno vapor e que a união das oposições em torno de um nome pode acontecer. Além do PT, Marcelo citou a boa convivência com o deputado Marcelo Lelis e já conversou também com o PCdoB, que estava na ex-terceira via.