Meio Ambiente

Foto: Ascom Unesc

O representante da Redesan (Rede Integrada de Equipamentos Públicos de Alimentação e Nutrição) e membro do Consea (Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional), Irio Luiz Conti, afirma que a "fome não é um fenômeno da natureza, mas uma ação humana, e como tal, pode ser revertida também pela ação do homem. E este é o nosso primeiro desafio”, disse. Irio fez a palestra de abertura da 9ª Semana do Meio Ambiente e Valores Humanos da Unesc (Universidade do Extremo Sul Catarinense), em Criciúma, na noite de hoje desta última segunda-feira, 02.

“Políticas Públicas Sociais e Segurança Alimentar e Nutricional: Estratégias de Combate à Fome e à Pobreza” foi o tema do debate proposto por Conti, com professores e alunos da Unesc, e a comunidade. Segundo Conti, cada um deve chamar a atenção de outras pessoas para o fato de que a falta de alimentos não é problema apenas de quem a enfrenta. “Fome e pobreza afetam toda a sociedade e precisamos que as pessoas fiquem indignadas com esta situação. Quem fica incomodado, não fica parado”, comenta Conti, ressaltando que o combate à pobreza não deve ser analisado sob o prisma de caridade, mas sim de direito do cidadão. Hoje, uma em cada oito pessoas do mundo não possui alimentos suficientes para viver, segundo a FAO (Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação).

A Semana do Meio Ambiente seguirá até quinta-feira, 05, com atividades baseadas nos temas Segurança Alimentar e Combate à Fome. A programação incluirá ainda oficinas como a de Alimentação Saudável; Fórum Catarinense de Comitês de Bacias Hidrográficas; 2ª Semana Indígena; palestra e debate sobre Economia Solidária e Sustentabilidade e atividades focadas na educação ambiental, com alunos de escolas da região, realizadas pelo Museu de Zoologia e pelo Laboratório de Ensino de Ciências. Durante todos os dias do evento, os participantes poderão doar um quilo de alimento não perecível para entidades da região.

Para a pró-reitora de Administração e Finanças, Kátia Soratto, a pobreza e a fome não são problemas distantes e refletir sobre eles auxilia na tomada de atitudes que mudem este quadro. “Queremos buscar alternativas para melhorar esta situação. Cada um que sair deste evento pode pensar e fazer algo para contribuir”. Para o presidente da Semana, Carlyle Torres Bezerra de Menezes, fome e pobreza são um dos problemas mais graves da humanidade e precisam de um engajamento de toda a sociedade para que a realidade seja modificada.

Também participaram da abertura da Semana o presidente do Conselho Municipal de Segurança Alimentar de Criciúma e coordenador do curso de Nutrição da Unesc, Marco Antônio da Silva e a coordenadora da Cáritas Diocesana de Criciúma, Neuza Mafra. A abertura do evento ficou por conta da Cia de Dança Unesc.

A Semana do Meio Ambiente da Unesc foi criada em 2008 pela Comissão Permanente de Meio Ambiente e Valores Humanos, da Universidade. Todos os anos ele ocorre na primeira semana de junho, quando se comemora o Dia Mundial do Meio Ambiente (5/6).

Programação

http://www.unesc.net/portal/capa/index/453/7701/ (Ascom Unesc)