Educação

Foto: Aurora Fernandes

Já em execução em 16 cidades tocantinenses, o Programa de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), promovido pelo governo federal e executado no Tocantins pela Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação (Sedecti) e pela Secretaria de Estado da Educação e Cultura (Seduc), abre mais 6.900 vagas para cursos técnicos e profissionalizantes. Até o final do ano, o programa deve levar os cursos aos 139 municípios do Estado.

Para atender a todos os municípios, o Pronatec será realizado em duas etapas. Logo após o lançamento, 16 cidades já receberam o programa, atendendo mais 1.500 alunos da rede estadual. As novas vagas, que ainda fazem parte da primeira etapa, contemplarão mais 78 municípios. Os cursos, que começarão no dia 04 de agosto, vão contemplar alunos do ensino médio e cadastrados no Seguro Desemprego do Sistema Nacional de Emprego (Sine). As matrículas podem ser realizadas até o dia 30 de junho.

A diretora de Formação Profissional do Sedecti, Maria da Penha Barbosa, explicou que os cursos foram escolhidos baseados em pesquisa de demanda das escolas e de acordo com arranjos produtivos locais. “Às vezes, tem curso em algum município que não é muito de acordo com o arranjo produtivo local, mas foram os alunos que escolheram. Não adianta ofertar um curso que eles não querem”, explicou.

A segunda etapa do programa deve iniciar as matrículas nos meses de setembro ou outubro e, além dos alunos e beneficiários do Seguro Desemprego, os cursos serão ofertados também para povos indígenas e comunidades quilombolas.

Cursos

Ao todo, são ofertados 15 cursos técnicos e 34 cursos de Formação Inicial e Continuada. Os cursos técnicos têm duração de cerca de um ano e meio, com carga horária de 800 a 1200 horas. Podem se matricularem nestes cursos, alunos do 2º ou 3º ano do Ensino Médio, maiores de 15 anos.

De acordo com Maria da Penha, o curso técnico está passando por uma fase de valorização no Brasil. “Os alunos recebem o certificado de curso técnico. Hoje em dia, há técnicos no mercado que recebem mais que profissionais que têm formação superior, dependendo da qualificação”, comentou.

Os cursos de Formação Inicial e Continuada são voltados para qualificação profissional rápida, com duração máxima de quatro meses. Esses cursos são oferecidos aos beneficiários do Seguro Desemprego. (ATN)