Estado

Foto: Divulgação Presidentes das associações protocolizaram ofícios junto as pastas de Segurança Pública, Administração e Gabinete do Governador Presidentes das associações protocolizaram ofícios junto as pastas de Segurança Pública, Administração e Gabinete do Governador

As Associações dos Agentes de Policia (AGEPOL-TO), Papiloscopistas (ASPETO) e Escrivães de Polícia Civil (AEPTO), protocolizaram na tarde desta última terça-feira, 24/06, ofícios junto as pastas de Segurança Pública, Administração e Gabinete do Governador, requerendo a ampliação do Cadastro de Reserva do Concurso Público para a Polícia Civil nas áreas específicas das associações citadas.

A primeira consideração dos presidentes das Associações faz menção ao número de policiais que estão por se aposentar apenas entre seis meses e quatro anos (prazo final de validade do concurso), cerca de 40% do efetivo destes cargos, outro ponto foi o numero de convocados para as demais fases do concurso, quatro ao todo sendo: avaliação médica, prova física, avaliação psicológica e academia, todas com caráter eliminatório, vejamos o caso dos Papiloscopistas como exemplo, são 10 vagas para preenchimento imediato e 3 para o Cadastro de Reserva, foram convocados para as demais fases ao total apenas 20 candidatos, ou seja, se a cada fase forem eliminados 3 candidatos restam apenas 8, não preenchendo assim nem o número de vagas do concurso.

Para o presidente da Associação dos Papiloscopistas – ASPETO, Iris Nunes, cerca de 12 policiais estarão se aposentando até o próximo ano, fazendo com que o atual concurso supra tão somente estas vagas, não aumentando em nada o efetivo já deficiente dos Institutos de Identificação, e conclui “o Estado terá basicamente as mesmas custas, se em uma sala de aula cabem 30 a 40 alunos na Academia, porque fazer para apenas 10 vagas?”

Para o presidente da Associação dos Agentes de Polícia – AGEPOL-TO, Ubiratan Rebello, a situação se repete, o numero de vagas para posse imediata, 38 ao total, foi negociada com o Governo em virtude do retorno dos Agentes Penitenciários para a SSP, caso que se arrasta a mais de três anos sem uma solução imediata, no entanto o quadro atual dos Agentes de Polícia, responsáveis pelas investigações criminais, está a cada mês diminuindo com as aposentadorias dos atuais servidores e necessita de reposição, “o Cadastro Reserva, não implica em nomeação automática de todos, mas sim a medida do necessário” explica Rebello, “o que queremos é apenas que o Governo retifique o edital atual para possibilitar que mais candidatos possam participar das demais fases e estejam aptos a serem convocados a medida da necessidade de serviço, sem no entanto, prejudicar os já convocados, pois suas notas os credenciam a estarem entre os primeiros convocados”.

O mesmo acontece com os Escrivães de Polícia, segundo Ariosvandre Tavares, presidente da Associação dos Escrivães – AEPTO, “com o Cadastro de Reserva ampliado o Estado ganha ao não precisar realizar mais concurso, dentro do prazo de validade do atual, para suprir uma necessidade já vislumbrada pelas categorias atualmente, desta forma, aguardamos que o Governo analise os motivos aqui expostos pelas Associações; ganha com isso a população tocantinense, que poderá contar com um numero maior de profissionais a disposição do combate à criminalidade e aos criminosos” finaliza Tavares.