Saúde

Foto: Divulgação

Uma ameaça de aborto logo nas primeiras semanas de gravidez deixou a assistente administrativo Elaine Kelly Pereira Rodrigues, 26 anos, muito preocupada. “Tive medo de perder o bebê, mas, felizmente, o pior não aconteceu. Agora é continuar com o pré-natal. Ainda estou com 13 semanas e há muito pela frente”, conta a gestante que é atendida na Unidade de Saúde da Família 307 Norte, em Palmas. Elaine destaca a atenção do médico que a acompanha. “Ele é muito bom, atencioso e cuidadoso comigo. Me faz sempre muitas perguntas, solicita exames, é detalhista. Nunca imaginei que o atendimento pudesse ser tão bom”, diz.

Os elogios são ao doutor Nésio Fernandes de Medeiros Junior, médico responsável pelo pré-natal de Elaine. Segundo ele, “os pacientes têm sido sempre generosos nos comentários” quanto ao seu atendimento. “Mas estou fazendo apenas o meu trabalho. Quando examinamos bem, investigamos e trabalhamos com a prevenção, a atenção básica, como deve ser, é sempre resolutiva, levando, assim, à satisfação dos pacientes”, completa.

O doutor é um dos 142 profissionais que atuam hoje em Tocantins por meio do Programa Mais Médicos. Assim como Elaine, quase 500 mil pessoas foram impactadas por esse reforço na atenção básica no Estado. Segundo levantamento do Ministério da Saúde, o total de atendimentos de urgência aumentou em 45%, passando de 1.092 em janeiro de 2013, quando a população ainda não contava com o incremento dos profissionais do Mais Médicos, para 1.583 em janeiro de 2014. Nos atendimentos de pré-natal, o aumento foi de 6,3%, e nas consultas de cuidado continuado, 38%. Esses e outros números foram apresentados pelo Secretário de Gestão Estratégica e Participativa do Ministério da Saúde, André Bonifácio, nessa quinta-feira (03), em Palmas, durante o Seminário Mais Médicos para o Brasil, Mais Saúde para os Brasileiros. O evento reuniu prefeitos e secretários de saúde dos municípios do estado.

Além de Palmas, outros 74 municípios tocantinenses e um distrito indígena tiveram o número de médicos ampliado pelo Mais Médicos. Em Bom Jesus do Tocantins, a monitora pedagógica Marta da Silva Oliveira sentiu fortes dores abdominais, recorreu à Unidade de Saúde da Família próxima a sua casa e, segundo ela, “não tem do que reclamar”. “A doutora Yoleida é ótima. Estou com alguns problemas, desses de mulher mesmo, e ela tem conversado muito comigo. Vou fazer os exames que ela pediu e fazer o tratamento. O bom é que ela fala com a gente com calma, nos ensina muita coisa”, conta Marta, sem mencionar qualquer problema de comunicação com a médica cubana.

Mais Números

Em todo o País, o número geral de consultas realizadas na Atenção Básica cresceu quase 35% em um ano – foram 5.972.908 em janeiro de 2014 contra 4.428.112 em janeiro de 2013. Entre esses atendimentos, teve destaque o de pessoas com diabetes, que aumentou cerca de 45% - passou de 587.535, em janeiro de 2013, para 849.751 em janeiro de 2014. Os atendimentos de pacientes com hipertensão arterial aumentaram em 5% no mesmo período, e as consultas de pré-natal, em 11%. O encaminhamento a hospitais diminuiu em 20%, passando de 20.170 para 15.969.