Estado

Foto: Divulgação

Para alguns moradores de Taquaruçu a temporada de tranquilidade está suspensa, tudo causada pela instalação de uma pista de Motocross bem próxima das residências. Segundo eles, em dias de treinos e competições é necessário sair de casa para não ser engolido pela nuvem de poeira e pó formados pelo vai e vem, sobe e desce das motocicletas nas montanhas de areia.

“Desde que isso começou eu não tive paz. E nesse fim de semana, além do barulho, a minha casa inteira ficou tomada pelo pó fino, foram
mais de três horas para conseguir tirar por cima a sujeira que ficou por aqui. Não sou contra o esporte, só acho que aqui não seria o
local ideal para a construção dessa pista”, comenta o assistido E.S.S., morador do distrito e um dos impactados com a pista de MotoCross.

Outro que reclama da situação é o aposentando J.A.F., de 72 anos. Segundo ele a pista tem trazido muitos transtornos que vão desde a
poeira, o barulho das motos, dos carros com som automotivo ligados no último volume, consumo de bebidas e ainda o risco que podem
proporcionar a própria vida e a dos outros, pois é comum a presença de crianças no local. “Não bastasse tudo isso eu estou adoentado,
fiz cirurgia de glaucoma e catarata e um dos conselhos é ficar longe de poeira, mas como posso fazer isso? Todo dia aqui tudo fica
coberto por uma fina camada de pó, minha situação está piorando a cada dia e estou correndo o risco de perder totalmente a visão, sem
contar o problema que essa situação causa também a minha esposa, ela tem problema de coluna e mesmo com fortes dores se vê obrigada a
limpar a casa por diversas vezes num só dia, assim não dá para continuar, aqui perto tem muitas pessoas idosas que precisam de paz
e sossego e não do que está acontecendo por aqui”, relatou.

Após ouvir os relatos dos assistidos e diante da insistência do Município em fomentar o desenvolvimento de atividade esportiva clandestina, já que as informações prestadas pela Federação de Motociclismo do Estado do Tocantins comprovaram que o evento realizado no último dia 26 e 27 de julho não integram o calendário oficial da entidade e sequer atende as exigências mínimas obrigatórias e preconizadas pela Confederação Brasileira de Motociclismo para este tipo de atividade, a Defensoria Pública do Tocantins, por intermédio do Núcleo de Ações Coletivas - NAC ingressou com uma Ação Civil Pública Inibitória, com preceito mandamental em Tutela de Urgência, consistente na Imposição de Não Fazer, na Vara dos Feitos das Fazendas e Registros Públicos da Comarca de Palmas, determinando ao Município de Palmas-TO, a sua Autarquia Fundacional denominada Fundesportes e a Associação Tocantinense de Titan Cross - ATTC, que se abstenham de realizar qualquer evento oficial e/ou amador e de igual maneira venham utilizá-la para treinos e práticas de acrobacias a pista de MotoCross alocada à Rua 08, QD. 51, LT. 06, nas adjacências do Ginásio de Esportes, Distrito de Taquaruçu. (Ascom Defensoria Pública)  

Por: Redação

Tags: Defensoria Pública, Taquaruçu