Saúde

Foto: Divulgação

O Tocantins registrou no ano de 2012 um total 469 infartos do miocárdio. Deste montante, 296 das vítimas eram homens e 173 mulheres. No Brasil, no mesmo ano, 49.511 homens e 34.602 mulheres foram vítimas de infarto agudo do miocárdio.

O contingente total de mortes decorrentes de doenças do aparelho circulatório - que inclui, além do infarto, a doença cardíaca hipertensiva, doença renal hipertensiva e a hipertensão essencial  - no Estado em 2012 foi de 751, sendo que, 449 vítimas desta quantidade foram homens e 302 foram mulheres. Já no Brasil, 131.558 pessoas morreram no mesmo ano, sendo que, 79.830 vítimas foram homens e 51.728 das mortes foram ocasionadas em mulheres. 

Faixa Etária

Das 449 mortes por doenças do aparelho circulatório masculinas registradas no Estado do Tocantins, 209 vítimas tinham idades entre 60 e 69 anos, 134 tinham idades na faixa etária entre 50 a 59 anos de idade, 81 entre 40 a 49 anos de idade e 25 na faixa etária entre 30 a 39 anos de idade. Das 302 mulheres, 144 foram contabilizadas em vítimas com idades entre 60 a 69 anos, 85 pessoas na faixa etária de idades entre 59 a 59 anos, 44 mulheres com idades entre 40 a 49 anos e 29 mulheres com idades na faixa etária entre 30 a 39 anos de idade.

Já no Brasil, das 79.830 vítimas por doenças do aparelho circulatório masculinas, 37.928 tinha idades na faixa etária entre 60 a 69 anos de idade, 25.668 com idades entre 50 a 59 anos, 11.849 com idades na faixa etária entre 40 a 49 anos e 4.385 entre 30 a 39 anos de idade. Das 51.728 mulheres que foram a óbito em resultado de doenças no aparelho circulatório, 25.544 tinha idades na faixa etária de 60 a 69 anos de idade, 15.641 de 50 a 59 anos, 7.802 com idades entre 40 a 49 anos e 2.741 com idades na faixa etária entre 30 a 39 anos de idade.

Cardiologista

O cardiologista Andres Gustavo Sanchez tem mais de 15 anos de experiência na área e em entrevista ao Conexão Tocantins na tarde desta sexta-feira, 25, explicou os fatores que contribuem para que um indivíduo tenha problemas cardiovasculares. “No geral, no Brasil e no mundo, a primeira causa de morte são as doenças cardiovasculares. E ela tem um aumento por causa do envelhecimento da população, a população está ficando cada dia mais velha, com uma idade média mais alta. Mas também tem os fatores de risco que são pressão alta, colesterol alto, cigarro, diabetes, o sedentarismo, alimentação inadequada, acabam aumentando a incidência de colesterol pressão e diabetes e isso acaba aumentando a incidência de doenças cardiovasculares, o que pode levar a infarto do miocárdio de coração e eventualmente morte”, explicou.

Andres ainda explicou que o número de casos é bem maior nos tempos de agora no Estado porque nos tempos de outrora o diagnóstico não era preciso e as pessoas morriam sem saber a causa. "Muitas vezes os problemas cardíacos passavam despercebidos e as pessoas morriam por uma causa que ninguém sabia o que era. Hoje, aqui no Estado nos temos uma cardiologia atuante, existem procedimentos, exames de diagnóstico. Hoje a gente sabe o porquê", afirmou.

Infarto agudo do miocárdio

O infarto agudo do miocárdio, popularmente chamado de infarto ou ataque cardíaco, é a interrupção na passagem de sangue para o coração, o que causa a morte das células cardíacas.

Hipertensão essencial 

Hipertensão essencial é o termo para a pressão arterial que está mais alta do que a normal. Se exames repetidos da pressão arterial mostrarem que ela está a 140/90 (14 por 9) ou mais alta, você tem quadro de hipertensão.

Doença cardíaca hipertensiva

Doença cardíaca hipertensiva é um resultado de esforço excessivo sobre o coração, devido à tensão arterial elevada. Tornou-se uma das principais causas de ataque cardíaco e derrame.

Estatísticas de 2013 

A exposição completa de dados mais atuais referentes ao ano de 2013 não é possível porque, segundo a Secretaria Estadual de Saúde (Sesau) informou ao Conexão Tocantins, os dados referentes ao ano ainda não foram fechados pelo Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (Datasus) que é integrado ao Ministério da Saúde e divulga os levantamentos. 

Embora os dados demonstrem o alto número de doenças decorrentes do aparelho circulatório, este número pode ser ainda maior devido aos casos que não foram notificados, entrando para as estatísticas de sub-notificação.  

Clínicas e cardiologistas

Segundo o Conselho Regional de Medicina (CRM), o Estado do Tocantins possui atualmente 2.300 médicos ativos. Destes, 41 são cardiologistas. Ainda segundo o CRM, o Estado possui 24 clínicas que atendem cardiologia no Estado, entre elas estão o Hospital Geral de Palmas, Hospital Regional de Araguaína e Hospital Regional de Gurupi.