Ciência & Tecnologia

Foto: Rafael Holanda Barroso/Fickr/Creative Commons

Dois eventos astronômicos disputarão nos próximos dias a atenção daqueles que gostam de observar a movimentação dos astros no céu: a chuva de meteoros Perseídas e a superlua. Na noite deste domingo (10) a lua se apresentará até 14% maior e mais brilhante do que o habitual. O fenômeno, conhecido como superlua, ocorre quando a Lua, em sua fase cheia, se encontra no ponto mais próximo da Terra em sua órbita.

De acordo com o professor Antônio Araújo Sobrinho, presidente da Associação Norte-Riograndense de Astronomia (ANRA), a Lua possui uma órbita elíptica pela qual ela gira em torno da Terra, em um ciclo aproximado de 28 dias. “Esse processo é chamado de revolução e conforme ele vai se dando, a distância entre o nosso planeta e seu satélite vai variando. O ponto mais distante desta órbita em relação à Terra é chamado de apogeu [406 mil quilômetros], enquanto o menor é o perigeu [356,8 mil quilômetros], por qual o satélite passará neste dia 10”, explica ele.

Saiba mais sobre o fenômeno da superlua

Segundo a Agência Espacial Norte-Americana (NASA), a ocorrência de luas cheias durante a passagem pelo perígeo acontece a cada três meses e 18 dias. O que torna o fenômeno deste domingo especial, segundo Araújo, é que este será o momento em que a lua passará mais perto de nosso planeta em todo o ano de 2014. 

Ele também aponta que o melhor momento para observar a superlua será no início da noite.

Nos dias 11, 12 e 13 será a vez da chuva de meteoros perseídas ser observada no céu. Ao contrário da chuva de meteoros delta aquarídeas austrais, que ocorreu no final de julho, esta deve ser bastante intensa. Conforme dados da NASA, o pico da chuva de meteoros perseídas deve produzir cerca de 80 meteoros por hora, incluindo bolas de fogo.

O professor ressalta, porém, que em algumas áreas a lua poderá atrapalhar a observação deste outro fenômeno ao ofuscar com seu brilho intenso a visualização dos meteoros. (EBC)