Campo

Foto: Divulgação

A anemia infecciosa equina é uma doença de notificação obrigatória, de ocorrência em todos os estados do Brasil, de extrema importância no aspecto sanitário e econômico, pois além de levar à morte muitos dos animais acometidos pelo seu agente causador, pode tornar outros indivíduos portadores assintomáticos da doença, sendo potentes disseminadores da mesma. Portanto o sacrifício dos animais acometidos é obrigatório na maioria das regiões do País. 

Para controlar a doença, o Laboratório Agropecuário da Agência de Defesa Agropecuária (Adapec), localizado no município de Gurupi, retomou, em agosto deste ano, suas atividades no que tange à realização de exames de anemia infecciosa equina. O laboratório passou por uma readequação entrando em conformidade com a normatiza NBR ISO/IEC 17.025:2005 - que visa a melhoria do serviço em diagnóstico laboratorial veterinário. Com isso, passa a atender as necessidades e expectativas dos criadores de equinos do Estado do Tocantins. 

A responsável técnica da Divisão de laboratórios da Adapec, Mary Jane Abreu, explica a importância do laboratório para a sanidade animal dos equídeos. “O Laboratório da Adapec tem fundamental importância, no contexto da qualidade dos equinos, pois oferece os exames a preços acessíveis, estimulando os criadores a fazerem os exames nos seus animais quando forem fazer o trânsito desses equídeos”, destaca.

O exame de anemia infecciosa equina é obrigatório para animais que serão deslocados para dentro ou fora do Estado com o objetivo de não disseminar a doença.

Além disso, os laudos gerados pelos exames são indicadores para que a Adapec desenvolva ações preventivas e corretivas diante da constatação da doença no Estado, contribuindo para desenvolvimento de Políticas de Defesa Sanitária Animal. Dados de maio deste ano apontam que o Estado tem 262.002 equídeos, entre eles, estão os equinos (cavalos e éguas), muares (burros e mulas) e asininos (jumentos). 

Contaminação

A transmissão ocorre através de picada de mutucas e das moscas dos estábulos; materiais contaminados com sangue infectado como agulhas, instrumentos cirúrgicos, grosa dentária, sonda esofágica, aparadores de cascos, arreios, esporas e outros materiais, além da placenta, colostro e acasalamento.